O que é o Conselho da Desinformação, criado pelo presidente Joe Biden

Chamado de "Ministério da Verdade" por opositores, iniciativa é liderada por cientista política que orientou o governo da Ucrânia sobre estratégias de comunicação
Governo Biden cria Conselho da Desinformação (Sarah Silbiger/Reuters)
Governo Biden cria Conselho da Desinformação (Sarah Silbiger/Reuters)
Carla Aranha
Carla Aranha

Publicado em 30/04/2022 às 18:39.

Última atualização em 30/04/2022 às 18:40.

O Departamento de Segurança dos Estados Unidos, criado após os atentados de 11 de Setembro com o objetivo de proteger o país contra ataques terroristas, deverá abraçar uma nova missão: o órgão prepara a criação do Conselho de Governança da Desinformação. Alejandro Mayorkas, secretário da pasta, vem dando pistas, em audiências no Congresso realizadas nos últimos dias, sobre os objetivos do novo braço do departamento. Um deles seria combater "alegações falsas de traficantes de pessoas". Outro é "conter ofensivas russas de ataques às eleições americanas".

A cientista política e especialista em comunicação Nina Jankowicz foi apontada como líder do Conselho. Em 2017, ela foi bolsista da Fundação Fullbright em Kiev, na Ucrânia, quando prestou serviços ao governo ucraniano em relação a estratégias de comunicação. 

A iniciativa vem sendo criticada pelo partido Republicano e representantes da mídia associada à oposição ao governo, que têm chamado o novo órgão de "Ministério da Verdade".

"Ao invés de policiar nossas fronteiras, o Departamento de Segurança decidiu que policiar a fala dos americanos é a sua prioridade", disse o senador Josh Hawley, do partido Republicano.

De acordo com o governo americano, o "compartilhamento de desinformação pode afetar a segurança das fronteiras, a segurança dos americanos durante desastres naturais e a confiança nas instituições".

O Conselho, anunciado na quarta, dia 27, terá um de seus principais focos o combate à desinformação voltada a imigrantes, especialmente no que diz respeito a políticas de proteção das fronteiras, segundo o Departamento de Segurança.

LEIA MAIS: