O ano da queda de Berlusconi e da transformação italiana

Político condenado, expulso do parlamento e privado do escudo da imunidade

Roma - O ano de 2013 será lembrado na Itália como aquele em que se presenciou a queda de Silvio Berlusconi, condenado, expulso do parlamento e privado do escudo da imunidade, mas também como o da transformação da política italiana.

Silvio Berlusconi voltou a ser, como nos últimos 19 anos, o protagonista indiscutível do panorama político italiano, embora, desta vez, 2013 tenha sido testemunha de um lento declínio cujo ato final foi escrito no dia 27 de novembro, quando o senado votou a favor da cassação do seu mandato após a condenação a quatro anos de prisão por fraude fiscal.

Apesar de ferir gravemente o brio de 'Il Cavaliere', a cassação do senado representa, sobretudo, a impossibilidade de participar de eleições nos próximos 6 anos pela aplicação da chamada lei Severino, que proíbe os condenados a penas definitivas de mais de dois anos de obter uma cadeira no parlamento.

Até 27 de novembro, data que muitos analistas descrevem como a do final de toda uma era, Berlusconi condicionou e manteve como prisioneira a vida política do país durante todo o ano.

O resultado incerto das eleições gerais de 24 e 25 de fevereiro foram, para Berlusconi, a oportunidade de tramar outro de seus planos para assegurar seu lugar no poder.

Diante da fraqueza da centro-esquerda, 'Il Cavaliere' conseguiu convencer todos a fazer parte de uma coalizão governamental que o chefe de Estado, Giorgio Napolitano, encarregou o comando a Enrico Letta.

O também magnata da mídia italiana, apesar de não ter ganhado as eleições, voltava ao controle das rédeas do país e, sob as contínuas ameaças de abandonar a coalizão, conseguiu ditar seu roteiro ao executivo de Enrico Letta.

O final de Berlusconi, no entanto, se desencadeou no dia 1º de agosto quando a Corte Suprema confirmou a condenação a quatro anos de reclusão pelo crime de fraude fiscal no caso Mediaset e a dois anos de proibição de exercer qualquer cargo público.


Na tentativa de evitar sua cassação, que lhe deixava, além disso, sem a imunidade parlamentar para o restante dos processos que ainda deve enfrentar, Berlusconi tentou forçar em outubro uma crise de governo com a ameaça de renúncia dos ministros da sua base.

Mas neste ano 'amargo', como o próprio Berlusconi definiu, a iniciativa se voltou contra si mesmo e terminou com a ruptura do seu partido, o Povo da Liberdade (PDL), e a traição daquele que foi seu apadrinhado e herdeiro político, Angelino Alfano, que deixou a casa do pai para formar seu próprio grupo.

Um grupo, o Novo Centrodestra, que garantia a sobrevivência do executivo de Enrico Letta e significava o golpe de misericórdia ao protagonista da vida política italiana dos últimos 20 anos.

Tudo leva a crer que assim se conclui a carreira política de Berlusconi após a fundação do Forza Itália em 1994, mas o ex-mandatário e empresário acostumou o país a surpreendentes golpes de cena e muitos asseguram que ainda se seguirá falando de 'Il Caimano' (jacaré em italiano).

A saída de Berlusconi do parlamento criou uma situação anômala e inovadora na política italiana: os três líderes mais carismáticos do país não têm cadeira.

Além de Berlusconi, 2013 marcou a entrada no parlamento da 'antipolítica', o Movimento 5 Estrelas, que conseguiu colocar nas eleições de fevereiro 109 deputados e 54 senadores e seu líder, o ex-comediante Beppe Grillo, controla as rédeas sem ter de se submeter às normas parlamentares.

Por outro lado, a geriátrica política italiana também mudará, pois tudo indica que a centro-esquerda passará às mãos de Matteo Renzi, o jovem prefeito de Florença de 38 anos, condenado neste ano a ser o secretário do Partido Democrata (PD) e possível futuro presidente do governo depois que a centro-direita ficou sem líderes de peso. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.