Novos bombardeios na maior usina da Europa podem levar a catástrofe nuclear na Ucrânia

Ao menos uma pessoa morreu neste domingo, em meio a bombardeios que tomam a região da instalação nuclear de Zaporizhzhia
Complexo nuclear de Zaporizhzhia: tomada pelos russos no início da guerra, instalação ainda tem reatores ativos (Wikimedia Commons/Reprodução)
Complexo nuclear de Zaporizhzhia: tomada pelos russos no início da guerra, instalação ainda tem reatores ativos (Wikimedia Commons/Reprodução)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 14/08/2022 às 13:38.

Última atualização em 14/08/2022 às 13:39.

Forças russas dispararam mísseis na região de Mykolaiv, no sul da Ucrânia, matando pelo menos uma pessoa neste domingo.

Vá além do básico. Assine a EXAME e tenha acesso ilimitado às principais notícias e análises.

Com os combates novamente intensos na região, aumentam as preocupações com a instalação nuclear de Zaporizhzhia, o maior complexo nuclear da Europa. Tropas russas capturaram a usina no início da guerra, mas ela ainda é administrada por técnicos ucranianos.

VEJA TAMBÉM: Medo assombra ucranianos que vivem perto da maior usina nuclear da Europa

Desde o começo do conflito, a usina foi bombardeada mais de uma vez.

Na última quinta-feira, a usina foi novamente alvo de ataque, e tanto a Ucrânia quanto a Rússia se culpam mutuamente pelo ocorrido. Segundo autoridades, os efeitos danificaram equipamentos de monitoramento e podem levar a uma catástrofe nuclear.

O enviado da Rússia a organizações internacionais com sede em Viena, Mikhail Ulyanov, pediu à Ucrânia neste domingo que pare de atacar a usina para permitir uma missão de inspeção da Agência Internacional de Energia Atômica.

VEJA TAMBÉM: Risco em Zaporizhzhia pode ser pior que Chernobyl? Veja o que se sabe

"É importante que os ucranianos parem de bombardear a estação e forneçam garantias de segurança aos membros da missão. Uma equipe internacional não pode ser enviada para trabalhar sob bombardeios contínuos de artilharia", disse ele à agência de notícias estatal russa Tass.

Enquanto isso, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, alertou os soldados russos que se alvejarem a usina nuclear ou a usarem como base para ataques, eles se tornarão um "alvo especial" para as forças ucranianas.

(Com agências internacionais)