Mundo

'Novo normal do estresse': mundo segue mais nervoso do que antes da pandemia, diz pesquisa Gallup

Estudou com mais de 140 mil entrevistas mapeou o estado emocional em 142 países

Brasil é o segundo país com mais casos de burnout. (Yasser Chalid/Getty Images)

Brasil é o segundo país com mais casos de burnout. (Yasser Chalid/Getty Images)

Rafael Balago
Rafael Balago

Repórter de macroeconomia

Publicado em 26 de junho de 2024 às 06h03.

As pessoas do planeta estão menos estressadas hoje do que na época da pandemia. No entanto, o nível de nervosismo é superior ao registrado antes da crise da Covid-19, mostra um estudo do instituto Gallup.

A pesquisa Gallup Global Emotions 2024 perguntou a 146 mil pessoas em 142 países se elas tinham experimentado momentos de estresse em boa parte do dia anterior. Entre os entrevistados, 37% responderam que sim.

O índice atual está três pontos abaixo do registrado na época da pandemia, mas ainda acima do patamar de dez anos, quando 33% dos entrevistados diziam ter vivido muitos momentos de estresse recentemente.

Entre os países com níveis mais altos de estresse, estão o Chipre do Norte (65%) e Israel (62%). O país de maioria judaica teve uma alta de 38 pontos percentuais em um ano, em meio aos ataques do Hamas e a invasão da Faixa de Gaza por forças israelenses.

No Brasil, 43% disseram ter tido momentos recentes de estresse, acima da média mundial. No entanto, poucos brasileiros disseram terem tido momentos de raiva (19%) e tristeza (24%). Já preocupação (51%) e dor (38%) tiveram respostas mais frequentes.

Alegrias e tristezas

O Gallup também perguntou sobre outras emoções sentidas pelos entrevistados, como raiva, tristeza, preocupação, dor, alegria, descanso e respeito. Os sentimentos ruins foram agrupados em um índice, chamado de Negative Experience Index. As boas sensações foram usadas para compor o Positive Experience Index.

O índice de sensações positivas teve avanço em 2023, e recuperou os números pré-pandemia, especialmente entre os jovens e menores de 30 anos. O indicador voltou a atingir 71% de respostas positivas, mesmo percentual registrado entre 2013 a 2015 e 2018 a 2020.

As Américas, a Europa Ocidental e a Oceania registraram os maiores índices de positividade. Já partes da África, Oriente Médio e Europa Oriental tiveram pontuações mais baixas.

Do outro lado, o índice de emoções negativas teve queda em 2023, pela primeira vez desde 2014, com 31% dos entrevistados dizendo terem sentido várias sensações ruins no dia anterior. O percentual foi maior no público com idade entre 30 e 49 anos, e menor entre os entrevistados de até 29 anos.

Os países que lideraram o índice de experiências negativas estão na África, com Guiné (53% tiveram emoções ruins), Chade (51%) e Serra Leoa (50%). Israel aparece em 8º, com 47%.

Os países mais estressados do mundo

1. Chipre do Norte
2. Israel
3. Nigéria
4. Egito
5. Grécia

Os países com mais raiva

1. Chipre do Norte
2. Iraque
3. Armênia
4. Jordânia
5. República Democrática do Congo

Os países com mais momentos de tristeza

1. Chade
2. Guiné
3. Israel
4. República Democrática do Congo
5. Libéria

Os países com mais sorrisos e risadas

1. Indonésia
2. Senegal
3. Guatemala
4. El Salvador
5. Gana

Os países com mais relaxamento

1. Vietnã
2. Malásia
3. Kuwait
4. Mongólia
5. Paraguai

Os países em que as pessoas se sentem mais tratadas com respeito

1. Colômbia
2. Uruguai
3. Chile
4. Costa Rica
5. Geórgia

Acompanhe tudo sobre:Estressesaude-mental

Mais de Mundo

Líder da oposição venezuelana quer que Maduro concorde com negociação para "transição ordenada"

Otan se compromete com pelo menos US$ 43 bilhões em 2025 para segurança da Ucrânia

Apoiadores de Evo Morales e do presidente Luis Arce se enfrentam na Bolívia

Médicos Sem Fronteiras fecha único centro de saúde remanescente no norte de Gaza em meio a tiroteios

Mais na Exame