Mundo
Acompanhe:

Nova primeira-ministra da Itália se reúne pela primeira vez com líderes da UE

A viagem da líder é acompanhada com atenção e preocupação por possíveis choques entre seu governo e as autoridades europeias

"A Itália chega com voz ativa na Europa: estamos prontos para abordar os grandes problemas, tuitou Meloni nesta quinta (LightRocket/Getty Images)

"A Itália chega com voz ativa na Europa: estamos prontos para abordar os grandes problemas, tuitou Meloni nesta quinta (LightRocket/Getty Images)

A
AFP

3 de novembro de 2022, 11h50

A primeira-ministra de extrema-direita da Itália, Giorgia Meloni, se reúne pela primeira vez nesta quinta-feira (3) com os líderes da União Europeia em Bruxelas, um encontro delicado que será dominado pela crise energética.

"A Itália chega com voz ativa na Europa: estamos prontos para abordar os grandes problemas, começando pela crise energética, e trabalhar por uma solução rápida e eficaz para apoiar as famílias e empresas e acabar com a especulação", tuitou Meloni nesta quinta.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

A viagem da líder de 45 anos, que prometeu sobretudo defender os interesses italianos, é acompanhada com atenção e preocupação por possíveis choques entre seu governo e as autoridades europeias.

"Bruxelas não deve se intrometer no que Roma pode fazer melhor", afirmou Meloni em um livro de entrevistas que será lançado na sexta-feira, no qual critica a UE por "ocupar-se de coisas menores e se ausentar em grandes temas".

Durante sua primeira viagem ao exterior desde que assumiu o cargo, se reunirá com a presidente da Comissão, Úrsula von der Leyen, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola.

O encontro presencial com Von der Leyen é precedido por polêmicas declarações da presidente da Comissão Europeia consideradas como interferência na campanha eleitoral.

Para o cientista político Lorenzo Codogno, a primeira mulher a governar a Itália, que lidera o Executivo mais à direita do pós-guerra, não deve mudar as principais linhas da política externa italiana.

"Meloni é uma mulher pragmática e quer ser vista como uma líder moderada", afirmou o especialista à AFP.

No comando de um dos países fundadores da UE e da terceira economia da zona do Euro, Meloni vai insistir na urgência de tomar medidas conjuntas para reduzir os preços da energia, uma luta iniciada por seu antecessor Mario Draghi.

LEIA TAMBÉM: