A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Nova ofensiva curda tem Estado Islâmico como alvo

A ofensiva teve início no dia em que um suicida jogou um carro cheio de explosivos no coração de Irbil, matando pelo menos cinco pessoas

Bagdá - As forças curdas peshmerga lançaram uma nova ofensiva nesta quarta-feira, tendo como alvo extremistas do grupo Estado Islâmico no Iraque nas províncias de Diyala e Kirkuk, tomadas pelos extremistas em agosto, quando um terço do território iraquiano passou para o controle dos extremistas, disse Jaber Yawer, porta-voz das forças curdas.

Em Diyala, as forças peshmerga trabalham em conjunto com forças de segurança iraquianas para a retomada das cidades de Saadiya e Jalula, disse Yawer.

Em Kirkuk, as forças curdas apoiadas por ataques aéreos norte-americanos, lançaram ataques para retomar o território perto da cidade de Kharbaroot, que fica a 35 quilômetros a oeste de Kirkuk.

A ofensiva teve início no dia em que um suicida jogou um carro cheio de explosivos no coração de Irbil, matando pelo menos cinco pessoas.

Nenhum grupo havia assumido a responsabilidade pelo ataque na capital da região semiautônoma curda, embora as autoridades suspeitem do Estado Islâmico.

O grupo também é suspeito nos casos de três ataques com bombas em Bagdá que deixaram pelo menos dez mortos e cerca de 30 feridos.

A coalizão liderada pelos Estados Unidos tem como objetivo atacar o Estado Islâmico no Iraque e na Síria, auxiliando os rebeldes sírios (apoiados pelo Ocidente), os combatentes curdos e o Exército iraquiano.

Os ataques ajudaram a conter o avanço dos extremistas na cidade síria de Kobani, na fronteira com a Turquia, assim como permitiu que as forças iraquianas avançassem nos últimos dias.

Na terça-feira, os curdos capturaram seis prédios em Kobani que eram controlados por militantes do Estado Islâmico e confiscaram uma grande quantidade de armas e munições, informou o Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, grupo cuja sede fica em Londres.

Embora a Turquia tenha previamente apoiado os rebeldes sírios que tentam derrubar o presidente Bashar Assad, seu governo tem hesitado em ajudar Kobani por temer que a medida possa alimentar as ambições curdas por um Estado independente.

Nesta quarta-feira, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que nenhum acordo havia sido finalizado para que seu país treine rebeldes sírios para combater os extremistas.

"Se falarmos apenas sobre treinamento e fornecimento de equipamentos, estaríamos mentindo para nós mesmos", disse Erdogan, reiterando que a queda de Assad também deve ser uma prioridade.

O Estado Islâmico declarou a criação de um califado em áreas sob seu controle no Iraque e na Síria, onde governa sob uma rígida interpretação da lei da Sharia.

O grupo tem realizado assassinatos em massa e atacado forças de segurança do governo e minorias étnicas, além de divulgar, em vídeo, o assassinato de prisioneiros.

O último deles foi divulgado no domingo e mostra imagens da decapitação do norte-americano Peter Kassig. Fonte: Associated Press.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também