Nova explosão no Líbano: dessa vez, culpado é grupo xiita

Dois meses após a tragédia no porto de Beirute, que deixou quase 200 mortos e 6.500 feridos, libaneses levam novo susto com acidente perto da capital

Um depósito de armamentos do grupo xiita Hezbollah explodiu nesta terça, dia 22, a 50 quilômetros de Beirute, no Líbano. Por enquanto, não há relatos de mortos ou feridos. O Hezbollah assumiu a culpa pelo acidente. Moradores relataram que os efeitos da explosão foram sentidos a quilômetros de distância.

Representantes do Hezbollah disseram que o acidente foi resultado de um “erro técnico“, sem detalhar a causa do problema. De acordo com a Al Jazeera, mídia do mundo árabe, jornalistas foram impedidos de acessar o local por membros do Hezbollah. A organização xiita possui um braço político com forte atuação no Congresso e no governo do Líbano.

A explosão aconteceu dois meses depois da tragédia no porto do Beirute, no dia 4 de agosto. A detonação incidental de 2.700 mil toneladas de nitrato de amônia, um material utilizado para a fabricação de bombas, causou a morte de 200 pessoas — outros 6.500 cidadãos ficaram feridos.

O Líbano, país que já foi a joia do Oriente Médio, passa por uma crise sem precendentes.

Com uma dívida que chega a 170% do PIB, o governo não tem recursos nem para pagar as suas próprias contas de energia, telefone e internet. Também acabou o dinheiro para importar o combustível que gera a eletricidade. Resultado: boa parte das cidades está vivendo às escuras. O fornecimento de energia elétrica tem durado apenas quatro horas por dia.

“O Líbano simplesmente faliu, depois de anos de uma política econômica que não fazia sentido e partidos políticos corruptos”, diz a pedagoga Layla Salash, de 40 anos, que está desempregada. Layla fez um estoque de velas para não ficar no escuro durante a noite.

Em agosto, a revolta da população diante da explosão no porto de Beirute levou à renúncia do primeiro-ministro Hassan Diab e de todo o seu gabinete. Até agora, no entanto, não foi formado um novo governo. 

Sem energia elétrica e serviços básicos, parte da população tem optado por imigrar para a Europa e outros continentes. O governo não tem conseguido pagar em dia os salários dos funcionários públicos, inclusive das equipes médicas que trabalham nos hospitais públicos.

O coronavírus, que estava controlado, voltou a fazer novas vítimas. No último domingo, dia 20, foram registrados mais de 1.000 novos casos, um recorde. O aumento do poder do crime organizado e de interesses sectários, nas últimas décadas, é considerado um dos principais motivos dos problemas enfrentnados hoje pelo país.

 

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.