Noiva de Khashoggi denuncia príncipe saudita nos EUA

Khashoggi foi assassinado e esquartejado no consulado da Arábia Saudita em Istambul, aonde havia ido buscar um documento

A noiva do jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado em Istambul em 2018, apresentou nesta terça-feira (20) uma denúncia em Washington contra o príncipe-herdeiro saudita, Mohamed bin Salman, e vários outros suspeitos de envolvimento no crime.

Colaborador do jornal The Washington Post e crítico do governo de Riade, do qual já foi próximo, Khashoggi foi assassinado e esquartejado no consulado da Arábia Saudita em Istambul, aonde havia ido buscar um documento. Seus restos nunca foram encontrados.

Hatice Cengiz, sua noiva de nacionalidade turca, estima que membros da embaixada saudita em Washington "atraíram" o jornalista "ao consulado saudita na Turquia através de um ardil (segundo o qual) era o único lugar em que poderia obter o documento que precisava".

"Esta falsa orientação ocorreu nos Estados Unidos e faz parte de uma conspiração maior destinada a impactar diretamente as atividades políticas de Khashoggi nos Estados Unidos", diz a denúncia apresentada em um tribunal federal americano.

A denúncia aponta especialmente para o príncipe-herdeiro saudita e para "muitos membros de seu círculo próximo", entre eles o ex-conselheiro Saoud al-Qahtani e o ex-número-dois da inteligência, o general Ahmed al-Assiri.

Ambos foram identificados pelos investigadores turcos como organizadores do assassinato e foram processados por um tribunal de Istambul.

Cengiz exige uma indenização, cujo valor deveria ser estabelecido pela Justiça.

Iniciar a jornada no mundo dos investimentos não precisa ser uma meta difícil. Confira o curso Começar a Poupar, de EXAME Academy.

Iniciar a jornada no mundo dos investimentos não precisa ser uma meta difícil. Confira o curso Começar a Poupar, de EXAME Academy.

A morte de Khashoggi mergulhou a Arábia Saudita em uma de suas piores crises diplomáticas e prejudicou a imagem do príncipe herdeiro, que foi apontado por turcos e americanos como arquiteto do crime.

Após negar o assassinato, Riad afirmou que foi cometido por agentes que agiram por conta própria e sem receber ordens de seus superiores.

Em dezembro passado, cinco sauditas foram condenados à morte e outros três a penas de prisão por um tribunal saudita. As penas de morte foram comutadas em setembro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.