Mundo

No Japão, premiê Kishida considera dissolver seu partido, após abertura de investigação

Procuradores japoneses vão investigar um antigo contador do partido do primeiro-ministro, por causa de um escândalo de fundos de campanha

Primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida (Kiyoshi Ota/Getty Images)

Primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida (Kiyoshi Ota/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 18 de janeiro de 2024 às 13h05.

O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, anunciou nesta quinta-feira, 18, que está considerando dissolver parte do seu partido, na esteira de notícias sobre a abertura de uma investigação de um escândalo envolvendo uso indevido de fundos de campanha, informaram veículos da mídia japonesa.

Em coletiva de imprensa, Kishida afirmou que se dissolver o Partido Liberal Democrata (PLD) "contribuir para restaurar a confiança na política, vamos considerar desfazer a nossa facção Kochi-kai", de acordo com o jornal Fuji News Network (FNN).

Mais cedo, fontes revelaram que procuradores do Japão irão investigar um antigo contador do partido de Kishida, em função de um escândalo de fundos de campanha, noticiou o Kyodo News. Segundo as fontes, o ex-tesoureiro da facção - da qual Kishida saiu no início de dezembro - deverá ser acusado, nesta sexta-feira, 19, de não ter declarado cerca de 30 milhões de ienes (US$ 203 mil) em um período de três anos até 2020, disseram as fontes.

Os promotores têm investigado várias facções do PLD em meio a alegações de que elas não informaram a receita de festas para arrecadação de fundos, violando a lei de controle de fundos políticos.

Conforme a reportagem do Kyodo News, autoridades do governo relataram que, após a notícia de abertura das investigações, a facção Kochi-kai apresentou ao Ministério de Assuntos Internos e Comunicações uma correção nos relatórios de fundos políticos de três anos até 2022. A facção de Kishida admitiu não ter informado sua receita previamente, atribuindo a causa a erros na contabilidade.

Na semana passada, o escritório de Promotores Públicos do Distrito de Tóquio já havia realizado sua primeira prisão relacionada ao escândalo, ao deter o ex-vice-ministro da Educação Yoshitaka Ikeda, abalando a liderança de Kishida, em um governo já conhecido por sua impopularidade.

Acompanhe tudo sobre:JapãoEscândalosPolítica

Mais de Mundo

Aliança de esquerda anuncia candidato para presidir a câmara baixa do Parlamento francês

Eleições EUA: Biden diz que consideraria desistir de eleição se 'alguma condição médica' o obrigasse

Charles III anuncia agenda trabalhista que prioriza infraestrutura e energia limpa

Ex-assessor de Trump deixa a prisão e segue direto para convenção do Partido Republicano

Mais na Exame