NFL: Times serão punidos se jogadores se ajoelharem durante hino dos EUA

NFL divulgou a nova política nesta quarta-feira, após uma temporada de polêmicas. Sindicato dos atletas promete "desafiar" a resolução

São Paulo – A NFL (Liga de Futebol Americano dos Estados Unidos) irá multar os times se algum de seus membros “não se levantar e mostrar respeito para a bandeira e o hino”. Quem desejar se manifestar de alguma outra maneira que não seja essa poderá permanecer no vestiário ou qualquer outra área até que a cerimônia tenha terminado.

“É uma pena que protestos em campo tenham criado a falsa percepção entre muitos de que os jogadores da NFL não são patrióticos”, escreveu o comissário da liga, Roger Goodell. “Esse nunca foi o caso”, continuou em comunicado. Agora, os jogadores e membros das equipes tem a opção de não estar em campo durante a execução do hino, algo obrigatório até então.

A novidade, no entanto, foi debatida apenas no espectro dos dirigentes e donos dos clubes e não com os jogadores. No Twitter, o sindicado dos atletas disse que “a NFL escolheu não consultar o sindicado no desenvolvimento dessa nova política” e irá “revisar essa nova “política e desafiará qualquer aspecto que seja inconsistente com os acordos coletivos”.

Relembre os protestos

A nova política foi divulgada em um comunicado assinado pelo comissário Roger Goodell e vem após a polêmica que se iniciou na temporada 2016 do campeonato, quando o jogador do San Francisco 49rs, Colin Kaepernick, se ajoelhou durante o hino nacional dos EUA para protestar contra o racismo e a violência policial. O atleta está atualmente sem time.

Esse gesto logo se espalhou para outras equipes do esporte e continuou forte no ano passado, enfurecendo o presidente americano, Donald Trump, que criticou o protesto diversas vezes nas redes sociais.

O republicano chegou a sugerir que os cidadãos americanos boicotassem o esporte, um dos mais populares do país. Pediu, inclusive, que os jogadores que se manifestassem dessa forma fossem banidos ou suspensos.

Segundo notou o jornal americano The New York Times, a NFL é formada por 32 equipes. Nenhum dos donos é negro e a maioria deles tem raízes conservadoras, alinhadas com as políticas de Trump. Ao menos sete desses proprietários doaram 1 milhão de dólares para a campanha republicana para a presidência, informou a revista esportiva Sports Illustrated.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.