Mundo

Nem todos britânicos choram a morte de Margaret Thatcher

Uma celebração improvisada acontecia em Brixton, na zona sul de Londres, cenário de intensos distúrbios sociais na década de 1980

Comemoração: "a melhor notícia que eu recebi no ano todo", disse uma pessoa no Facebook, dizendo-se ex-mineiro. (REUTERS/Olivia Harris)

Comemoração: "a melhor notícia que eu recebi no ano todo", disse uma pessoa no Facebook, dizendo-se ex-mineiro. (REUTERS/Olivia Harris)

DR

Da Redação

Publicado em 13 de abril de 2013 às 14h47.

Londres - Polêmica em vida, a ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher continuou dividindo a nação depois de morta --e algumas pessoas festejam abertamente o falecimento da "Dama de Ferro".

Uma celebração improvisada acontecia em Brixton, na zona sul de Londres, cenário de intensos distúrbios sociais na década de 1980.

"Thatcher em si representa muito do que o povo odeia que aconteceu na Grã-Bretanha nos últimos 20, 30 anos", disse o designer gráfico Ben Windsor, 40 anos, ao lado de um homem que segurava um cartaz com uma caricatura grosseira da baronesa e as palavras "júbilo, júbilo".

Sob o olhar de policiais, outros manifestantes chegaram com latas de cerveja e garrafas de vinho, gritando "ela está morta!".

No começo da noite, 199 mil pessoas já haviam "curtido" o site isthatcherdeadyet.co.uk ("Thatcher já morreu?"). O site havia recebido uma atualização em grandes letras maiúsculas: "SIM".

A página incentivava os visitantes a festejarem a morte de Thatcher, e oferecia a trilha sonora.

"Margaret Thatcher morreu. A senhora não vai voltar", dizia o site. A frase fazia um trocadilho com um famoso discurso em que ela, reagindo a pedidos de moderação do seu Partido Conservador, disse que "a senhora não é de recuar".

Thatcher, que foi primeira-ministra entre 1979 e 1990, adotou radicais políticas direitistas que, embora vistas como modernizadoras por muitos, alienaram outros tantos, que a viam como uma destruidora de empregos e de setores econômicos tradicionais.

As palavras de ódio dedicadas a ela, 23 anos após o fim do seu governo, mostram que muitos não a esqueceram nem perdoaram.

"A melhor notícia que eu recebi no ano todo", disse uma pessoa no Facebook, dizendo-se ex-mineiro.

No bairro de Belgravia, uma garrafa de leite foi deixada na porta da casa dela, numa alusão ao corte no fornecimento de leite a escolas primárias, adotada por ela quando ministra da Educação, na década de 1970.


No Twitter, a hashtag #nowthatchersdead causou confusão. Quem a leu corretamente ("agora Thatcher morreu") postou muitas piadas infames, celebrações e recriminações. Mas havia também fãs entristecidos da cantora e atriz norte-americana Cher, que leram do jeito errado (ficou "agora que a Cher morreu").

Sindicalistas avisaram pelo Twitter que estavam indo para o "pub", e outras pessoas diziam ter colocado champanhe para gelar, ou perguntavam "onde é a festa".

Dias atrás, circularam em Londres panfletos avisando de uma festa na praça Trafalgar no sábado seguinte à morte de Thatcher.

No Facebook, os anti-Thatcher evocam duas músicas: "The Witch is Dead", de Ellla Fitzgerald, e uma canção do musical Billy Elliot, ambientado durante uma greve de mineiros na década de 1980. "Feliz Natal, Maggie Thatcher, todos celebramos hoje, porque fica um dia mais perto da sua morte", diz a letra.

O musical está atualmente em cartaz em Londres.

Acompanhe tudo sobre:EuropaInglaterraMargaret ThatcherMortesPaíses ricos

Mais de Mundo

Reino Unido relança sua relação com a Europa em reunião de alto nível

Obama acredita que Biden deveria reconsiderar futuro de sua candidatura, diz jornal

Eleições nos EUA: Trump fará discurso às 21h09 e deve falar por 55 minutos na Convenção Republicana

Eleições Venezuela: Maria Corina Machado, lider da oposição, denuncia ataque; veja vídeo

Mais na Exame