Negociação de paz da Colômbia cumpre 2 anos imersa em crise

Negociações de paz entre governo e as Farc completam dois anos em meio a sua pior crise, devido sequestro de general

Bogotá - As negociações de paz do governo colombiano com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) completam nesta quarta-feira dois anos atravessando sua pior crise devido ao sequestro do general do exército Rubén Darío Alzate, o que levou o presidente Juan Manuel Santos a ordenar a suspensão das conversas.

Em 19 de novembro de 2012, as delegações do governo e a guerrilha instalaram em Havana a mesa de diálogos em um ambiente de otimismo no país, que hoje aguarda a libertação do general Alzate, de outros três militares e um civil para a retomada das conversas.

Nestes dois anos de negociações as partes chegaram a acordos preliminares em três dos cinco pontos da agenda, referentes a terras e desenvolvimento rural, participação política e drogas e cultivos ilícitos.

Atualmente, está em discussão o tema das vítimas, iniciado em agosto e que deveria ser retomado ontem. As conversas, no entanto, foram suspensas pelo sequestro do general, do cabo Jorge Rodríguez e da advogada Gloria Urrego em Mercedes, uma zona florestal do departamento de Chocó.

O sequestro foi confirmado ontem pelas Farc em um comunicado da Frente Ivan Ríos, segundo o qual "em exercício de suas tarefas de segurança" os guerrilheiros "interceptaram" o general e seus acompanhantes.

O governo condicionou o reinício dos diálogos à libertação destas três pessoas e dos soldados César Rivera Capela e Jonathan Andrés Díaz Franco, sequestrados em 9 de novembro após um combate em Arauca, na fronteira com a Venezuela.

Movimentos de esquerda e da sociedade civil farão hoje uma manifestação em Bogotá para pressionar o governo a manter os diálogos de paz com as Farc e aceitar o cessar-fogo bilateral proposto pela guerrilha.

Nas últimas horas a imprensa local divulgou informações, não confirmadas oficialmente, de que o governo ativou um protocolo humanitário com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para uma rápida entrega do general e dos demais sequestrados, em um gesto da guerrilha para não comprometer as negociações de paz.

Caso o processo de paz seja retomado, depois do tema das vítimas as partes abordarão o fim do conflito, que inclui o abandono das armas e a desmobilização dos membros das Farc.

Além disso, terão que discutir o mecanismo que será adotado para que os colombianos referendem os eventuais acordos alcançados em Havana.

O presidente Santos afirmou recentemente que esperava que a assinatura do acordo de paz fosse feita em 2015, possibilidade que hoje parece mais distante, a menos que as Farc libertem logo o general e os demais reféns.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também