Mundo

Na Guatemala, manifestantes anti-governo ateiam fogo no Congresso

Protestos são relacionados ao novo Orçamento aprovado pelo país para 2021

Este ano, manifestações no Chile incendiaram igrejas; na Guatemala, o principal alvo foi o Congresso (Cristobal Saavedra Vogel/Anadolu Agency/Getty Images)

Este ano, manifestações no Chile incendiaram igrejas; na Guatemala, o principal alvo foi o Congresso (Cristobal Saavedra Vogel/Anadolu Agency/Getty Images)

KS

Karina Souza

Publicado em 21 de novembro de 2020 às 20h04.

Última atualização em 21 de novembro de 2020 às 21h56.

Manifestantes anti-governo atearam fogo no Congresso da Guatemala como forma de protestar contra o Orçamento aprovado para o próximo ano e de pedir a renúncia do atual presidente, Alejandro Giammattei.

Inovação na prática

De acordo com informações da BBC, o incidente aconteceu hoje e só parou quando a polícia dispersou os manifestantes. Segundo as fontes oficiais, a extensão dos danos ao prédio ainda é desconhecida.

Os manifestantes justificam o ato ao afirmar que o governo está priorizando empresários do setor de infraestrutura para destinar a verba do próximo ano, em detrimento de gastos com a Saúde e Educação, altamente impactados pela covid-19.

Recentemente, o país teve danos sérios causados pela tempestade Eta, em que pelo menos 75.000 guatemaltecos foram diretamente afetados.

Dados apontam que o orçamento aprovado, de quase US$ 13 bilhões, é um dos maiores da história do país.

Histórico de protestos

Em 2017, o país também teve protestos na capital pedindo a renúncia do então presidente, Jimmy Morales. O motivo, contudo, era bem diferente: à época, os manifestantes pediam que ele saísse do poder por causa dos escândalos de corrupção em que esteve envolvido.

Acompanhe tudo sobre:GuatemalaProtestos

Mais de Mundo

Campanha de Biden ignora críticas e afirma que ele voltará à estrada em breve

Jovens da Venezuela se preparam para sua primeira eleição

Trump retoma campanha contra um Biden enfraquecido

Programa espacial soviético colecionou pioneirismos e heróis e foi abalado por disputas internas

Mais na Exame