Na contramão do Brasil, países vizinhos adotam isolamento por coronavírus

Os cidadãos da Argentina, Chile, Colômbia e Peru deverão permanecer em casa por 14 dias sob risco de multa e outras penalidades legais

Argentina, Chile, Colômbia e Peru adotaram nos últimos dias a obrigatoriedade de isolamento domiciliar para pessoas vindas de países onde o surto de coronavírus é mais intenso. Os cidadãos deverão permanecer em casa por 14 dias sob risco de multa e outras penalidades legais, informaram as autoridades.

A medida dos vizinhos não é algo que o Ministério da Saúde do Brasil cogita adotar imediatamente. O discurso do ministro Luiz Henrique Mandetta tem sido de cautela quanto a ações como esta. Até a noite desta quarta-feira, 11, o Brasil somava 69 casos confirmados. Na Colômbia, as confirmações chegaram a nove e são 13 os pacientes no Peru. Na Argentina, uma pessoa morreu em decorrência da doença. O Chile tem 23 casos.

Colômbia

A Colômbia declarou emergência sanitária para conter o surto mundial de coronavírus, ao mesmo tempo em que determinou a suspensão de eventos públicos com mais de 500 pessoas e o trânsito de navios de cruzeiro pelos portos marítimos.

Até agora, as autoridades de saúde colombianas registraram nove casos de Covid-19, um surto que deixou 4.607 mortos e 124.518 infectados em 118 países, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, que na quarta-feira descreveu a doença como uma pandemia.

“Todos os eventos públicos de mais de 500 pessoas estão cancelados. Esses eventos devem ser evitados … a partir de hoje”, disse o presidente Iván Duque a repórteres.

A emergência de saúde, que durará até 30 de maio, permite que o governo tome medidas rápidas e excepcionais para enfrentar situações especiais de saúde, como a alocação de recursos financeiros.

Duque também anunciou que, depois de conversar com as autoridades do futebol, foi decidido que as próximas rodadas da liga colombiana, a partir deste fim de semana, serão disputadas sem a presença da torcida.

“Teremos o torneio a portas fechadas e na televisão”, disse o presidente.

Anteriormente, a Colômbia ordenou um isolamento preventivo de 14 dias para todos os cidadãos do país e estrangeiros que chegassem de China, Itália, Espanha e França.

Duque afirmou que o governo também decidiu suspender o trânsito de navios de cruzeiro e o desembarque de turistas em seus portos, depois que uma mulher estrangeira que chegou à cidade de Cartagena teve teste positivo para o coronavírus.

Porém, o presidente descartou por enquanto a possibilidade de suspender aulas em colégios e universidades no país de 50 milhões de habitantes.

“No momento, as decisões de suspender aulas não foram contempladas”, disse Duque, que já havia anunciado uma extensão dos prazos para pagamento de impostos às empresas do setor de turismo e aviação.

Argentina

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse que será obrigatória a quarentena aos cidadãos que cheguem de países onde é alta a circulação do coronavírus. “A pessoa nessa quarentena de 14 dias tem a obrigação de ficar em casa isolada. Se isso não for cumprido, estará incorrendo em um delito que é por em risco a saúde pública”, disse Fernández em entrevista a uma rádio de Buenos Aires.

O país também suspendeu, nesta quinta-feira, de maneira temporária, a emissão de vistos para pessoas provenientes de China, Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão, Irã, Reino Unido, União Europeia e os países do área Schengen para evitar o avanço dos casos de coronavírus no país sul-americano.

A decisão do governo argentino, publicada no Diário Oficial, veio um dia depois da Organização Mundial da Saúde (OMS) qualificar o coronavírus como pandemia.

Por sua vez, o governo da cidade de Buenos Aires, a capital argentina, anunciou também nesta quinta-feira que proibirá a presença do público em eventos esportivos, assim como a realização de atividades que concentrem pessoas, para evitar contágios de coronavírus, segundo a agência estatal local Télam.

Peru

Medida similar foi anunciada pelo Peru, que ordenou o isolamento domiciliar por duas semanas. O presidente Martín Vizcarra também alterou o início das aulas nas escolas públicas para o dia 30 de março. Muitos colégios privados, que já tinham começado o período escolar, também deverão suspender suas atividades. “Não podemos fazer um controle de todos os viajantes, mas a responsabilidade é de cada cidadão”, disse Vizcarra em companhia dos seus ministros da Saúde, Educação e Economia.

América Central

Países da América Central, com sistemas de saúde frágeis, já têm adotado medida radicais, ainda que não tenha havido escala de casos nesta região. O presidente de El Salvador, Nayin Bukele, anunciou nesta quarta-feira, 12, em cadeia de rádio e TV, quarentena em todo o território nacional e vetou a entrada de todos os estrangeiros por um mês. As férias escolares também foram suspensas por três semanas.

Já o governo da Guatemala anunciou a proibição de entrada de cidadãos de todos os países europeus, além de China, Coreias do Sul e do Norte e Irã. (Com agências internacionais).

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.