Mundo

Morte de mais um homem negro por asfixia é investigada nos Estados Unidos

Assim como George Floyd, vídeos mostram Manuel Ellis, de 33 anos, chorando enquanto é algemado pela polícia no condado de Pierce, em Washington

EUA: "Não consigo respirar, senhor", diz Manuel Ellis em gravações (Joe Ybarra / EyeEm/Getty Images)

EUA: "Não consigo respirar, senhor", diz Manuel Ellis em gravações (Joe Ybarra / EyeEm/Getty Images)

A

AFP

Publicado em 11 de junho de 2020 às 07h35.

Última atualização em 11 de junho de 2020 às 12h56.

O governador do estado de Washington (oeste dos Estados Unidos) anunciou nesta quarta-feira (10) uma investigação relacionada à morte por asfixia de um homem negro sob custódia policial, semelhante à de George Floyd, que provocou protestos em massa em todo o país. 

"Tem que haver uma nova investigação e ações de acusação independentes do condado de Pierce", que abrange Tacoma, onde o incidente ocorreu em 3 de março, afirmou o governador Jay Inslee em um comunicado.

A decisão foi tomada depois que um vídeo gravado por uma câmera de segurança residencial mostra Manuel Ellis, 33 anos, chorando enquanto é algemado pela polícia.

Um pedestre também gravou em vídeo parte da prisão.

"O que está claro nesse vídeo não é apenas o fato de Manny Ellis dizer 'não consigo respirar'", disse o advogado da família James Bible em entrevista coletiva na terça-feira.

"O que vimos é que ele disse: 'Não consigo respirar, senhor. Não consigo respirar, senhor. Não consigo respirar, senhor.' ... Um sinal claro de que não é apenas uma luta para respirar, mas uma tentativa de ser respeitoso nos. últimos momentos da vida. Um sinal de que ele não era a pessoa agressiva que a polícia disse que era".

O prefeito de Tacoma, 56 km ao sul de Seattle, pediu que os policiais envolvidos na prisão fossem demitidos e processados.

Ellis morreu de parada respiratória devido a hipóxia e restrição física, destacou o legista, acrescentando que a presença de metanfetaminas em seu organismo e doenças cardíacas também podem ter contribuído para a morte.

A decisão de Inslee de iniciar uma nova investigação sobre este caso coincide com os recentes protestos nacionais contra a brutalidade policial e o racismo desencadeados pela morte de Floyd, quando também estava sob custódia policial em Minnesota, em 25 de maio.

Os quatro policiais que participaram da retenção de Ellis - que foram colocados em licença administrativa - disseram que o detiveram depois que ele supostamente tentou "abrir as portas de veículos ocupados".

Eles indicaram que ele morreu após uma briga física que os forçou a imobilizá-lo.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)MortesPoliciaisRacismo

Mais de Mundo

Fãs de Trump se reúnem em Milwaukee para lhe dar apoio: "precisa saber que é amado"

Biden pede que país 'reduza a temperatura política' e que evite o caminho da violência

Nikki Haley é convidada de última hora como oradora para convenção republicana

FBI crê que atirador que tentou matar Trump agiu sozinho e não pertence a grupo terrorista

Mais na Exame