Missão da AIEA chega em Zaporizhzhia a caminho da usina nuclear ucraniana

O diretor da AIEA, Rafael Grossi, afirmou que sua delegação busca "evitar um acidente nuclear" na usina da Ucrânia
Ucrânia: missão da AIEA chega em Zaporizhzhia a caminho da usina nuclear ucraniana (AFP/AFP)
Ucrânia: missão da AIEA chega em Zaporizhzhia a caminho da usina nuclear ucraniana (AFP/AFP)
A
AFPPublicado em 31/08/2022 às 11:05.

Uma missão da inspeção da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) chegou à cidade de Zaporizhzhia, no sul da Ucrânia, e está a caminho da central nuclear de mesmo nome, ocupada pelas tropas russas.

O comboio, que tem quase 20 veículos, metade dos quais com a inscrição "UN" (Nações Unidas), e uma ambulância, entrou na cidade na tarde desta quarta-feira, segundo jornalistas da AFP no local.

 Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

O diretor da AIEA, Rafael Grossi, afirmou que sua delegação busca "evitar um acidente nuclear" na usina ucraniana de Zaporizhzhia.

"É uma missão que visa evitar um acidente nuclear e preservar esta importante usina nuclear, a maior da Europa", disse Grossi a repórteres na cidade de Zaporizhzhia.

Esta usina nuclear está na linha de frente entre as forças ucranianas e russas, que trocam acusações sobre os bombardeios. Isso significa que os inspetores da agência da ONU devem cruzar a linha de frente com garantias de segurança de ambos os lados.

A usina nuclear está desde março sob controle da Rússia que, segundo Kiev, teria mobilizado centenas de soldados e munição armazenada em suas instalações.

Embora a cidade esteja a duas horas de carro da usina, a guerra torna difícil calcular quanto tempo levará para os equipamentos chegarem ao local.

LEIA TAMBÉM: Zelensky recebe inspetores da AIEA que irão à usina nuclear ocupada pela Rússia

As autoridades ucranianas acusaram nesta quarta-feira a Rússia de bombardear Energodar, uma cidade localizada em frente à usina, que antes da guerra tinha 50.000 habitantes.

"A situação com essas provocações é perigosa", afirmou Evhen Yevtushenko, chefe do governo Nikopol, localizado do outro lado do rio Dnieper, no Telegram.

A Ucrânia pediu à Rússia que interrompa os bombardeios no caminho até a central nuclear.

"As tropas de ocupação russas devem parar de disparar contra os corredores usados pela delegação da AIEA e não dificultar suas atividades na usina", escreveu no Facebook o porta-voz da diplomacia ucraniana Oleg Nikolenko.

"Extremamente ameaçador"

A missão do órgão de verificação da ONU passará "alguns dias" no local e informará suas conclusões quando retornar à sua sede em Viena.

A Ucrânia inicialmente temeu que uma visita da AIEA a Zaporizhzhia legitimaria a ocupação russa do local, mas depois apoiou a missão se a equipe saísse do território sob seu controle.

Em seu habitual discurso noturno, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky denunciou na terça-feira que a Rússia continua com "suas provocações" nas áreas por onde a missão precisa passar para chegar à usina.

LEIA TAMBÉM:  Ucrânia se prepara para volta às aulas em abrigos subterrâneos

"Espero que a equipe da AIEA possa começar seu trabalho", afirmou Zelensky, que se encontrou com Grossi e chamou a situação de "extremamente ameaçadora".

A visita coincide com um aumento dos combates na região próxima de Kherson, no sul, e na bacia de mineração do Donbass, no leste do país.

Diante do prolongamento do conflito, os ministros da Defesa da União Europeia, que se reuniram ontem em Praga, começaram a planejar um programa de treinamento para os soldados ucranianos.

"Há muitas iniciativas, mas as necessidades são enormes", disse o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, à espera de um "acordo político geral e global" sobre o assunto.

Mais complicado ainda é o consenso sobre a proposta de proibir a entrada de viajantes russos no território da União Europeia, que deve ser objeto de discussão dos ministros das Relações Exteriores nesta quarta-feira em Praga.

A Rússia pressiona o bloco, reduzindo suas exportações de gás para o resto do continente, que viu os preços da energia elétrica dispararem.

Nesta quarta-feira, suspendeu novamente o fornecimento de gás através do gasoduto Nord Stream, que faz conexão com a Alemanha, devido a alguns trabalhos de manutenção em uma estação de compressão no território russo.

LEIA TAMBÉM: Ucrânia inicia ofensiva para retomar territórios ocupados pela Rússia