A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Ministro turcos pedirão aos EUA extradição de Gülen

O governo turco acusa Gülen de ter instigado a tentativa de golpe militar de 15 de julho através de suas redes de seguidores na Turquia

Istambul - Os ministros turcos das Relações Exteriores, Mevlüt Cavusoglu, e Justiça, Bekir Bozdag, viajarão na próxima semana aos EUA para negociar com as autoridades americanas uma eventual extradição do predicador turco Fethullah Gülen, residente na Pensilvânia, informa nesta sexta-feira a agência "Anadolu".

O governo turco acusa Gülen de ter instigado o fracassado golpe militar de 15 de julho através de suas redes de seguidores na Turquia, algo que o predicador rejeitou após qualificá-lo de "ridículo, irresponsável e falso".

O ministro da Energia, Berat Albayrak, anunciou hoje nos veículos de imprensa de seu país a viagem de seus colegas, embora não precisou a data e se limitou a dizer que será "na próxima semana".

Os ministros se propõem a convencer as autoridades americanas para que extraditem Gülen, que viajou aos Estados Unidos em 1999 com um passaporte turco reservado a altos cargos, e desde então vive legalmente perto da cidade de Saylorsburg, na Pensilvânia.

A Turquia enviou na terça-feira passada um dossiê a Washington, mas as autoridades americanas não confirmaram que trate-se de uma solicitação de extradição formal através dos canais previstos.

O secretário de Estado americano, John Kerry, pediu de forma reiterada à Turquia que envie "provas, não acusações", a quem o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, respondeu que serão enviadas essas provas.

Em processo de extradição, a Justiça americana deverá avaliar as provas e determinar se demonstram um ato que também é considerado delitivo nos Estados Unidos antes de poder dar sinal verde a uma extradição, processo no qual poderão intervir os advogados de Gülen.

O predicador de 75 anos, cujas doutrinas foram apresentadas como uma forma espiritual e dialogante do islã, mas se baseiam no ideário fundamentalista do teólogo turco Said Nursi, era até 2013 um dos melhores aliados do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e sua confraria liderava os esforços do governo turco de islamizar a sociedade e marginalizar os coletivos laicos.

Desde o ano passado, a Procuradoria turca descreve esta confraria com o nome de "Organização Terrorista Fethullah Gülen (FETÖ)", apesar de nunca ter sido vinculada a atos violentos e nem armados, até o fracassado golpe da sexta-feira. EFE

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também