A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Ministro das Relações Exteriores cobra eleições na Venezuela

Ministro declarou que tem cobrado eleições legislativas ao governo venezuelano desde março

Brasília - O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, afirmou nesta quinta-feira, 7, que tem cobrado do governo da Venezuela a convocação, "no menor prazo possível", das eleições legislativas do país, que deveriam acontecer no segundo semestre deste ano.

A declaração de Vieira foi uma resposta à passagem pelo Brasil das mulheres dos opositores venezuelanos Antonio Ledezma, prefeito de Caracas, e Leopoldo López, líder do partido Vontade Popular.

Os dois estão presos sob a acusação de liderar uma onda de manifestações no ano passado que tinham como objetivo a renúncia do presidente Nicolás Maduro.

O ministro afirmou que a realização das eleições é uma preocupação central da missão da Unasul que foi enviada a Caracas em março para restabelecer o diálogo entre o governo e a oposição daquele país e disse que conversou sobre o assunto nesta quinta, durante encontro com Tarek William Saab, Defensor do Povo da Venezuela.

"Hoje voltei a insistir na convocação das eleições no prazo que a legislação estabeleça, mas que essa convocação seja no menor prazo possível", disse.

Vieira disse ainda que designou que um representante do Itamaraty se encontre com Mitzy Capriles, mulher de Ledezma, e Lilian Tintori, esposa de López.

Vieira, no entanto, não soube afirmar quando esse encontro vai ser realizado. Quem deve receber a comitiva venezuelana é o chefe do Departamento da América do Sul II, Clemente Baena Soares.

A decisão do governo de fazer um contato institucional com as mulheres da Venezuela acontece depois de dias da pressão da oposição e da cobrança pública de membros do Legislativo, como o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Hoje, as duas mulheres estiveram no Congresso Nacional e cobraram uma posição do governo brasileiro diante da situação no país vizinho, que, segundo elas, vive sob uma ditadura.

Elas chegaram a protocolar um pedido de audiência com a presidente Dilma Rousseff. A petista teria respondido o pedido com uma carta assinada pelo chefe do gabinete pessoal da presidente, Álvaro Henrique Baggio, em que "agradece suas iniciativas" e diz que o Brasil "procura incansavelmente uma solução para crise" da Venezuela.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também