Marcha histórica reúne mais de 1 milhão em Paris; veja fotos

A manifestação pode ser a maior desde a Segunda Guerra Mundial; mais de 5 mil policiais fazem a segurança

São Paulo - Depois de uma semana de violência e tensão que chocou o mundo, milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra o extremismo e a favor da liberdade de imprensa. Horas antes do previsto para começar a manifestação, milhares já estavam reunidos na Praça da República, em Paris, com slogans como "Viva a França", "Eu sou Charlie" e "Eu sou Charlie, judeu, policial".

O presidente francês François Hollande disse em seu gabinete que Paris era a capital do mundo hoje, antes de se dirigir à marcha. Personalidade e políticos de várias partes do mundo também foram ao protesto, entre eles a chanceler alemã Angela Merkel, o primeiro-ministro David Cameron e primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu.

Estão mobilizados 5.500 homens, entre policiais e soldados, para a segurança do encontro. Segundo autoridades francesas, a manifestação pode ser a maior desde a liberação de Paris do controle nazista na Segunda Guerra Mundial. Para os jornais franceses, está é uma marcha histórica, sem precedentes. Estima-se que mais de 1 milhão de pessoas participam do encontro em Paris e outros 600 mil, em outras cidades do país.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.