Metade dos presos de Guantánamo permanecerão detidos

Segundo secretario da Defesa, a dificuldade em fechar a prisão é que alguns presos devem ficar retidos indefinidamente

Quase metade dos 116 detentos de Guantánamo permanecerão na prisão "indefinidamente", afirmou o secretário de Defesa, Ashton Carter, no momento em que o governo americano tenta fechar a polêmica prisão, como prometeu o presidente Barack Obama.

"A razão pela qual é complicado fechar Guantánamo é a seguinte: alguns prisioneiros que estão lá devem ficar retidos indefinidamente, devem ser julgados enquanto estiverem detidos", disse Carter no Pentágono.

"Aproximadamente metade dos detidos não podem ser liberados, ponto final", completou, antes de acrescentar que é necessário procurar outro local de detenção nos Estados Unidos para transferir os presos.

Carter e Lisa Monaco, assessora do presidente para o combate ao terrorismo, pretendem apresentar ao Congresso um novo plano para fechar a prisão de Guantánamo, aberta há 13 anos na base naval americana localizada no sudeste de Cuba para deter os suspeitos dos atentados de 11 de setembro de 2001.

O fechamento da polêmica prisão foi uma das promessas eleitorais de Obama. O presidente afirmava que era incoerente "conservar uma prisão que o mundo inteiro condena e que os terroristas usam para recrutar".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.