May vai a Bruxelas para novas negociações sobre o Brexit

Primeira-ministra britânica ganhou voto de confiança de seu partido, mas desembarque da União Europeia continua tão incerto quanto antes

A primeira-ministra britânica, Theresa May, começa nesta quinta-feira uma nova leva de negociações para aprovar o Brexit, o desembarque da União Europeia. Ela ganhou ontem um voto de confiança de seu partido Conservador para se manter no cargo por pelo menos mais um ano e levar adiante as intrincadas costuras para aprovar um acordo que contente aliados e opositores.

May teve 200 votos a favor e 117 contrários, uma margem que analistas políticos consideram estreita para o tamanho de suas pretensões. Além disso, precisou se comprometer a não disputar novamente a liderança do partido em 2022, o que faz dela um político que já caminha para a reta final de seu mandato. Em inglês essa condição é chamada de "lame duck", ou "pato manco", e é tudo que políticos ambiciosos tentam evitar.

Nesta quinta-feira May irá mais uma vez a Bruxelas para renegociar a questão mais sensível do acordo de desembarque, a fronteira entre a Irlanda e a Irlanda do Norte. O acordo inicial do Brexit, pronto para ser apresentado ao parlamento britânico, mantém a separação entre os dois países praticamente inalterada, o que é vista como uma artimanha inaceitável pelos defensores do desembarque. Agora, May tentará arrancar dos negociadores europeus uma promessa de que esta condição é temporária.

O dia de ontem foi o mais tenso do governo de Theresa May. Na mesa estavam uma série de possibilidades, que incluíam a necessidade de um novo referendo sobre a saída da União Europeia até o reconhecimento de que não haverá acordo nos termos atuais. May assumiu o cargo em 2016, depois da renúncia de David Cameron e a aprovação, via referendo, da saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit.

O acordo fechado com a União Europeia deveria ter sido levado ao parlamento britânico no dia 11, mas a primeira-ministra adiou a pauta para evitar uma constrangedora derrota. A votação, agora, deve acontecer no final de janeiro. A data oficial do desembarque é 29 de março de 2019. A única certeza, agora, é que May estará no cargo até lá. Todo o resto continua envolto numa espessa neblina britânica.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

May vai a Bruxelas para novas negociações sobre o Brexit

Primeira-ministra britânica ganhou voto de confiança de seu partido, mas desembarque da União Europeia continua tão incerto quanto antes

A primeira-ministra britânica, Theresa May, começa nesta quinta-feira uma nova leva de negociações para aprovar o Brexit, o desembarque da União Europeia. Ela ganhou ontem um voto de confiança de seu partido Conservador para se manter no cargo por pelo menos mais um ano e levar adiante as intrincadas costuras para aprovar um acordo que contente aliados e opositores.

May teve 200 votos a favor e 117 contrários, uma margem que analistas políticos consideram estreita para o tamanho de suas pretensões. Além disso, precisou se comprometer a não disputar novamente a liderança do partido em 2022, o que faz dela um político que já caminha para a reta final de seu mandato. Em inglês essa condição é chamada de “lame duck”, ou “pato manco”, e é tudo que políticos ambiciosos tentam evitar.

Nesta quinta-feira May irá mais uma vez a Bruxelas para renegociar a questão mais sensível do acordo de desembarque, a fronteira entre a Irlanda e a Irlanda do Norte. O acordo inicial do Brexit, pronto para ser apresentado ao parlamento britânico, mantém a separação entre os dois países praticamente inalterada, o que é vista como uma artimanha inaceitável pelos defensores do desembarque. Agora, May tentará arrancar dos negociadores europeus uma promessa de que esta condição é temporária.

O dia de ontem foi o mais tenso do governo de Theresa May. Na mesa estavam uma série de possibilidades, que incluíam a necessidade de um novo referendo sobre a saída da União Europeia até o reconhecimento de que não haverá acordo nos termos atuais. May assumiu o cargo em 2016, depois da renúncia de David Cameron e a aprovação, via referendo, da saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit.

O acordo fechado com a União Europeia deveria ter sido levado ao parlamento britânico no dia 11, mas a primeira-ministra adiou a pauta para evitar uma constrangedora derrota. A votação, agora, deve acontecer no final de janeiro. A data oficial do desembarque é 29 de março de 2019. A única certeza, agora, é que May estará no cargo até lá. Todo o resto continua envolto numa espessa neblina britânica.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.