Manifestantes exigem renúncia do presidente da Nicarágua

Protestos ocorrem após uma repressão violenta da polícia aos protestos que deixou ao menos nove mortos

Manágua - Milhares de manifestantes foram às ruas da capital da Nicarágua para exigir a renúncia do presidente após uma repressão violenta da polícia aos protestos que deixou ao menos nove mortos.

Os manifestantes agitaram bandeiras nicaraguenses azuis e brancas e bradaram "Presidente, saia!" em vários pontos nos arredores de Manágua, na segunda-feira, mas o governo manteve a polícia longe das manifestações depois da violência dos últimos dias.

Os protestos tiveram início na semana passada depois que o governo do presidente Daniel Ortega, ex-guerrilheiro de esquerda cujos críticos o acusam de tentar criar uma ditadura familiar, lançou um plano de reforma da Previdência do país da América Central.

A repressão policial dos manifestantes e os limites impostos a uma parte da mídia deram ensejo a mais críticas contra Ortega. Na noite de domingo, na tentativa de acalmar as ruas, Ortega disse ter cancelado a iniciativa de reforma.

A marcha de segunda-feira, liderada por universitários, foi a maior de seus dias de protestos, segundo uma testemunha da Reuters. Os manifestantes pediram a libertação de colegas presos nos dias anteriores e o fim do governo Ortega.

O jornal conservador La Prensa, um crítico contundente tanto de Ortega quanto do regime anterior que ele lutou para derrubar, disse que ele "perdeu o controle das ruas".

"Daniel Ortega não tem mais a capacidade política ou a autoridade moral para continuar governando", escreveu.

A polícia se chocou com estudantes entrincheirados na Universidade Politécnica da Nicarágua na noite de domingo - um deles morreu baleado e cinco foram tratados de ferimentos, disse Bassett Guido, porta-voz da Cruz Vermelha, à Reuters por telefone na segunda-feira.

Guido informou que a Cruz Vermelha registrou nove mortes desde que os protestos começaram na quarta-feira e que atendeu 433 feridos. Na segunda-feira o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (CENIDH) disse que ao menos 25 pessoas morreram. Marlin Sierra, diretor do CENIDH, disse que 120 pessoas foram presas.

Ainda na segunda-feira, o Departamento de Estado dos Estados Unidos autorizou a partida de funcionários do governo dos EUA e restringiu os serviços consulares.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.