Malásia diz que ainda irá determinar o que matou Kim Jong Nam

Meio-irmão de Kim Jong Un foi morto no Aeroporto de Kuala Lumpur no dia 13 de fevereiro com o que a polícia acredita ser um veneno de ação rápida

Kuala Lumpur - Autoridades da Malásia disseram nesta terça-feira que ainda têm que determinar o que foi usado para matar o meio irmão do líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, e que o corpo ainda não foi identificado, já que nenhum parente se apresentou.

Kim Jong Nam foi morto no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur no dia 13 de fevereiro com o que a polícia acredita ser um veneno de ação rápida. O vice-primeiro-ministro malaio identificou a vítima como Kim Jong Nam, embora as autoridades não tenham conseguido realizar testes de DNA.

"A causa da morte e a identidade ainda estão pendentes", disse o doutor Noor Hisham Abdullah, diretor-geral de saúde do Ministério da Saúde da Malásia, aos repórteres.

O funcionário disse que não foram recebidas amostras de DNA de nenhum familiar.

Autoridades da Coreia do Sul e dos Estados Unidos disseram acreditar que agentes norte-coreanos assassinaram Kim Jong Nam, que morava no território chinês de Macau com a proteção de Pequim e estava afastado da família.

A Malásia pediu a parentes de Jong Nam que reivindiquem o corpo e ajudem com o inquérito, que provocou uma rixa diplomática com a Coreia do Norte, cujas autoridades querem que o corpo seja entregue diretamente.

Kuala Lumpur convocou seu enviado em Pyongyang depois que o embaixador norte-coreano na capital malaia questionou a imparcialidade da investigação da Malásia e afirmou que a vítima não era Jong Nam.

Na segunda-feira o embaixador norte-coreano, Kang Chol, disse que seu país "não pode confiar" na maneira como a Malásia está investigando o assassinato.

Respondendo nesta terça-feira, o premiê malaio, Najib Razak, repudiou os comentários do diplomata e reiterou que a investigação será justa.

"A declaração do embaixador foi totalmente desnecessária. Foi diplomaticamente grosseira. Mas a Malásia irá ficar firme", disse Najib aos repórteres.

As autoridades ainda não divulgaram um relatório da autópsia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.