Líderes mundiais revelam preocupação 'profunda' com impactos da covid

O G20 reafirmou o compromisso com uma resposta global para acelerar o financiamentos e de apoio a uma recuperação sustentável no pós-pandemia
 (NurPhoto/Getty Images)
(NurPhoto/Getty Images)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 31/10/2021 13:47 | Última atualização em 31/10/2021 13:47Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O grupo das 20 maiores economias do globo (G20) disse que continua "profundamente preocupado" com os impactos da crise da covid-19, especialmente nos países em desenvolvimento. De acordo com o comunicado do grupo divulgado há pouco, após dois dias de reunião de líderes em Roma, a pandemia atrasou o progresso em direção à Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e à Agenda de Ação de Adis Abeba.

"Reforçaremos nossas ações para implementar o Plano de Ação do G20 sobre a Agenda 2030 e o Apoio do G20 à Resposta e Recuperação do covid-19 nos países em desenvolvimento, com base na Atualização de Roma de 2021, com particular atenção aos países mais vulneráveis", enfatizaram.

O texto também comemorou a nova alocação geral de Direitos Especiais de Saque (DES), implementada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) em agosto, que disponibilizou o equivalente a US$ 650 bilhões em reservas adicionais globalmente.

Da mesma forma, congratulou o progresso alcançado no âmbito da Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida do G20 (DSSI), que também foi acordada pelo Clube de Paris. Estimativas preliminares apontam para pelo menos US$ 12,7 bilhões do total do serviço da dívida diferido, no âmbito desta iniciativa, entre maio de 2020 e dezembro de 2021, beneficiando 50 países.

"Afirmamos a importância de esforços conjuntos de todos os atores, incluindo credores privados, para continuar a trabalhar no sentido de aumentar a transparência da dívida", ressaltaram os líderes no documento.