Líder yanomami quer apoio da ONU contra lei sobre minerais

Davi Kopenawa afirmou nesta segunda-feira que a lei, se for aprovada, permitirá a entrada das grandes empresas de extração de minerais em territórios indígenas

Genebra - O líder yanomami Davi Kopenawa solicitará às instâncias de direitos humanos da ONU que se oponham à regulamentação da extração de minerais nas terras indígenas da Amazônia.

Em entrevista à Agência Efe, Kopenawa afirmou nesta segunda-feira que a lei, se for aprovada, permitirá a entrada das grandes empresas de extração de minerais em territórios indígenas, o que abrirá caminho para a 'destruição das terras, a poluição dos rios, e trará mais doenças além das que já existem'.

Kopenawa está em Genebra a convite do Festival de Cinema e Direitos Humanos da cidade, que projetou o filme 'Indiens en Sursis', que denuncia a situação dos índios do Brasil e do qual ele é protagonista.

O líder yanomami afirmou que 'bateu em todas as portas' do governo brasileiro e, por isso, agora está se dirigindo à ONU, esperando que o escute e o ajude em sua oposição ao projeto de lei.

'Precisamos de ajuda para dizer 'não' ao governo. Não podem entrar em nossa terra e expoliá-la', declarou.

Kopenawa será recebido nesta terça-feira pelos assistentes da relatora para a situação dos defensores dos direitos humanos, com os do relator sobre os direitos dos povos indígenas e com o responsável do Brasil no escritório da alta comissária para os Direitos Humanos da ONU.


O projeto de lei em estudo permitiria a extração de minerais em terras indígenas com a autorização do Congresso Nacional e com o pagamento de royalties para os indígenas e para a Fundação Nacional do Índio (Funai).

A lei é debatida na Câmara há mais de 15 anos, dadas a divergências dos deputados que não sabem se aceitam as reivindicações dos índios ou as das mineradoras, que consideram que a busca de minerais nobres como o ouro, os diamantes e o nióbio - utilizado em usinas nucleares - é de interesse nacional e fundamental para o desenvolvimento do país.

Por sua vez, o governo da presidente Dilma apoia a aprovação da legislação porque considera que a falta de regulamentação só beneficia garimpeiros individuais que, como usam equipamento não regulamentado, degradam o meio ambiente. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.