Mundo

Líder da oposição venezuelana quer que Maduro concorde com negociação para "transição ordenada"

Maria Corina Machado disse o candidato de seu partido, Edmundo González Urrutia, vai vencer o pleito

A deputada venezuelana María Corina Machado é apontada como a favorita para disputar eleições contra Maduro (Juan Barreto/AFP)

A deputada venezuelana María Corina Machado é apontada como a favorita para disputar eleições contra Maduro (Juan Barreto/AFP)

EFE
EFE

Agência de Notícias

Publicado em 11 de julho de 2024 às 09h25.

Última atualização em 11 de julho de 2024 às 09h28.

A líder opositora ao atual governo da Venezuela e impedida de participar das eleições presidenciais do próximo dia 28, María Corina Machado, disse à Agência EFE nesta quarta-feira que espera que o presidente do país, Nicolás Maduro, que tenta a reeleição, concorde em negociar uma transição ordenada porque, segundo ela, o ex-embaixador Edmundo González Urrutia, principal candidato da oposição, vai vencer o pleito.

"Estamos passando por um delicado processo de transição e, para o próprio bem de Nicolás Maduro e do restante de sua estrutura, espero que ele aceite um processo de negociação que nos permita uma transição ordenada e sustentável", disse a ex-deputada durante um evento político do qual participou, juntamente com González Urrutia.

Para ela, Maduro, que está no poder desde 2013, perdeu "a confiança e o apoio do povo" e optou por semear "medo", uma estratégia que, segundo a opositora, "não funciona".

A oposição reagiu aos discursos do presidente venezuelano nas últimas semanas, nos quais, diante de milhares de apoiadores em seus comícios, usou expressões como "velho decrépito" para se referir a "um candidato" do campo opositor, cujo nome ele não mencionou, como costuma fazer.

Além disso, ela classificou como uma "invenção" as acusações do Ministério Público e do governo sobre supostos planos da oposição, juntamente com um grupo colombiano ilegal, para agir contra o presidente ou desestabilizar o país.

"Perdi a conta de quantas conspirações existem. Toda semana começa uma nova e, evidentemente, eles fabricam narrativas, fabricam provas, perseguem pessoas inocentes e, no final, tudo se desfaz", disse Machado.

A ex-deputada, que acompanha González Urrutia em seus comícios de campanha, foi eleita em um processo de primárias como candidata presidencial pela Plataforma Democrática Unida (PUD), a principal coalizão de oposição ao governo Maduro, mas não pôde se registrar na corrida eleitoral devido a uma sanção da Controladoria, e por isso apoia o ex-embaixador, que concorre em seu luga

Acompanhe tudo sobre:VenezuelaDemocraciaEleições

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame