Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Lacuna racial no Reino Unido afeta avanço das taxas de vacinação

Análise da Bloomberg mostra que as taxas de mortalidade tendem a ser mais altas - e as taxas de vacinação mais baixas - em áreas onde maioria das pessoas não é branca

O programa de vacinação a contra Covid-19 do Reino Unido tornou o país um pioneiro global. Mas, enquanto mais de 30 milhões de adultos britânicos tomaram pelo menos uma dose, a aceitação da campanha é significativamente menor nas comunidades negras e asiáticas, aumentando o risco de doenças contínuas e mortes em algumas das áreas mais etnicamente diversas e menos privilegiadas do país.

Dados oficiais divulgados na segunda-feira revelam que apenas 59% dos adultos negros na Inglaterra com mais de 70 anos receberam pelo menos uma injeção, em comparação com cerca de 91% dos brancos e uma taxa abaixo de 75% nas comunidades do Paquistão e de Bangladesh.

A experiência pessoal de tratamento inadequado, combinada com abusos históricos e discriminação por instituições médicas gerou desconfiança, dizem os especialistas. Há dúvidas sobre os possíveis efeitos colaterais e barreiras linguísticas, enquanto a desinformação também tem semeado preocupações, sugerindo que as vacinas contêm álcool ou produtos à base de carne. Algumas pessoas até podem estar dispostas a receber a vacina, mas enfrentam dificuldades de acesso.

Uma análise da Bloomberg de dados do governo britânico mostra que as taxas de mortalidade tendem a ser mais altas - e as taxas de vacinação mais baixas - em áreas onde menos de 60% das pessoas são brancas.

O governo do Reino Unido atingiu a meta inicial de oferecer uma primeira dose a qualquer pessoa com 70 anos ou mais em meados de fevereiro. No entanto, as taxas gerais de vacinação para pessoas na faixa dos 70 anos permanecem abaixo de 90% em 10 distritos de saúde de Londres, de acordo com dados do NHS, e 24 distritos em toda a Inglaterra vacinaram menos de 90% das pessoas com 80 anos ou mais. Muitas dessas áreas incluem algumas das comunidades mais pobres e multirraciais da Inglaterra.

Em distritos como Newham, no leste de Londres, que sofreu quase 456 mortes por 100.000 pessoas nos últimos 12 meses - a maior taxa na Inglaterra e mais do que o dobro da média nacional - as vacinas são vistas como uma forma de evitar ainda mais agonia. Comunidades negras, asiáticas e de minorias étnicas constituem cerca de três quartos da população de Newham.

A pandemia já teve um impacto desproporcional em pessoas negras e do sul da Ásia em particular. Os casos e mortes por Covid-19 em comunidades da África Negra ou do Caribe Negro têm ocorrido em cerca do dobro da taxa de comunidades brancas, mostram dados do governo.

No início deste ano, o Reino Unido comprometeu mais de 23 milhões de libras (US$ 32 milhões) para ajudar a expandir o acesso à vacina em áreas de maior risco, visando comunidades minoritárias e áreas carentes em particular. O governo apontou iniciativas, incluindo grupos de WhatsApp que compartilham mensagens de figuras religiosas e “ônibus de vacinas” que levam doses para áreas de difícil acesso.

Do outro lado da cidade, no noroeste de Londres, Raja Amjid Riaz supervisiona uma clínica regular para administrar a vacina da AstraZeneca e da Universidade de Oxford na Mesquita Central de Brent. Riaz disse que a aceitação tem sido “muito fraca” em grupos incluindo as comunidades locais afegãs, somalis e da África negra.

Cerca de dois terços da população de Brent são negros, asiáticos e grupos étnicos minoritários. Brent teve a maior taxa de mortalidade Covid-19 entre março e junho do ano passado, seguido por Newham, pois as pessoas com empregos de baixa remuneração, moradia precária e condições de saúde sofreram mais.

Há muito em jogo para a Grã-Bretanha, que enfrentou críticas intensas por erros no início da pandemia, mas agiu rapidamente na obtenção e distribuição de vacinas. O Reino Unido deu a mais de 45% de sua população total pelo menos uma dose, de acordo com o rastreador de vacinas da Bloomberg. Isso se compara a cerca de 29% para os EUA e 10% para a União Europeia.

--Com a colaboração de Jeremy Diamond.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também