Kremlin critica vídeo de campanha de Donald Trump

O vídeo tenta lançar dúvidas sobre a capacidade de Hillary para lidar com Putin, que é mostrado como um inimigo dos Estados Unidos

Moscou - O governo russo repudiou nesta quinta-feira um vídeo de campanha do pré-candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos Donald Trump que o louva às custas da pré-candidata democrata Hillary Clinton, queixando-se de que a peça demoniza a Rússia.

"Vi o vídeo. Não tenho certeza de que (o presidente russo) Vladimir Putin o viu. (Mas) nossa posição é negativa", disse Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, durante uma teleconferência com repórteres.

O vídeo tenta lançar dúvidas sobre a capacidade de Hillary para lidar com Putin, que é mostrado como um inimigo dos Estados Unidos.

Apresentando o que insinua serem os adversários mais duros dos EUA na arena mundial, o vídeo mostra o líder russo vencendo um oponente com facilidade em uma luta de judô antes de cortar a imagem e exibir Mohammed Emwazi, falecido carrasco do Estado Islâmico conhecido como "Jihadi John".

Em seguida entra um vídeo de Hillary sobre o qual foram sobrepostos sons que lembram os latidos de um cão. Depois Putin aparece rindo.

"É um segredo de polichinelo para nós que demonizar a Rússia e o que quer que tenha relação com a Rússia é, infelizmente, uma marca registrada inevitável das campanhas eleitorais norte-americanas", afirmou Peskov.

"Sempre lamentamos isso sinceramente, e gostaríamos que o processo eleitoral (dos EUA) fosse conduzido sem tais referências a nosso país."     

A televisão estatal russa, que normalmente reflete a visão de mundo do Kremlin, tem se mostrado em geral mais simpática a Trump do que aos outros pré-candidatos presidenciais.

Mas vem se queixando do que diz ser o tom anti-Rússia generalizado da campanha, criticando quase todos os pré-candidatos por declarações que fizeram sobre o país.

Os EUA acusam a Rússia de não bombardear alvos do Estado Islâmico na Síria com a mesma ferocidade ou frequência com que alveja o que Washington afirma serem grupos moderados opostos ao presidente sírio, Bashar al-Assad.

O Kremlin tem negado a acusação, dizendo que o Estado Islâmico é uma ameaça perigosa à sua própria segurança, e já rejeitou tentativas ocidentais de comparar a ameaça que a Rússia supostamente representa ao Ocidente àquela representada pelo Estado Islâmico.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também