Mundo

Kerry reunirá Afeganistão e Paquistão em Bruxelas por paz

O apoio do Paquistão é considerado primordial para o sucesso do processo de paz afegão


	O encontro impulsionado por John Kerry, que participará de sua primeira reunião da Otan após assumir o cargo, representa uma tentativa de aproximar as posturas de afegãos e paquistaneses
 (REUTERS/Yves Herman)

O encontro impulsionado por John Kerry, que participará de sua primeira reunião da Otan após assumir o cargo, representa uma tentativa de aproximar as posturas de afegãos e paquistaneses (REUTERS/Yves Herman)

DR

Da Redação

Publicado em 23 de abril de 2013 às 06h28.

Bruxelas - O secretário de Estado americano, John Kerry, reunirá na quarta-feira em Bruxelas o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, e representantes paquistaneses para tentar retomar o processo de paz com os talibãs, segundo confirmou hoje o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen.

O dirigente aliado, que hoje se reunirá com Karzai, ressaltou a necessidade de o Paquistão se comprometer a facilitar a "paz e a estabilidade a longo prazo no Afeganistão".

Rasmussen defendeu "todos os esforços para facilitar o processo político", tentativas que não deram frutos nos últimos anos.

O apoio do Paquistão é considerado primordial para o sucesso do processo de paz afegão, mas, após meses de contatos infrutíferos, Cabul recentemente se mostrou disposto a tentar novamente o diálogo com os talibãs sem a mediação de Islamabad.

O encontro impulsionado por Kerry, que participará hoje de sua primeira reunião da Otan após assumir o cargo de secretário de Estado, representa uma tentativa de aproximar as posturas de afegãos e paquistaneses.

Rasmussen, em declarações aos jornalistas, ressaltou que o processo político deve cumprir "certas condições" para ter êxito. Entre elas, destacou a necessidade de ser dirigido pelos próprios afegãos, de os grupos participantes respeitarem a Constituição do Afeganistão e os direitos humanos e de não haver vínculos com os grupos terroristas.

Rasmussen opinou que "a melhor forma de facilitar um processo político é mantendo a pressão militar para que os inimigos do Afeganistão entendam que não têm nenhuma oportunidade de vencer no campo de batalha".

Até agora, os talibãs ignoraram reiteradamente o Executivo de Karzai por considerá-lo uma marionete dos EUA e da comunidade internacional, e por enquanto não mostraram interesse em participar da iniciativa de paz.

As tentativas do Governo de Cabul respondem, entre outras coisas, à necessidade de estabilizar o país frente à saída do grosso das tropas internacionais até o fim de 2014.

Acompanhe tudo sobre:AfeganistãoÁsiaEstados Unidos (EUA)John KerryPaíses ricosPaquistãoPolíticos

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame