Mundo

Argentina inicia julgamento de brasileiro por tentativa de homicídio a Cristina Kirchner

Processo pode durar até um ano e contará com mais de 300 testemunhas; caso aconteceu em 2022

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 26 de junho de 2024 às 08h08.

A justiça argentina inicia nesta quarta-feira, 26, o julgamento pela tentativa de homicídio de Cristina Kirchner em 2022, quando o brasileiro Fernando Sabag Montiel disparou o gatilho a centímetros do rosto da então vice-presidente em uma tentativa de assassinato fracassada que chocou a sociedade e rompeu um limite político. O julgamento centra-se nos três arguidos – o agressor, a sua ex-namorada e o seu empregador como vendedores ambulantes –, sem abordar alegados ideólogos ou possíveis apoios financeiros, pistas que Kirchner pediu para serem investigadas e que fazem parte de uma causa paralela.

“O julgamento chega com uma investigação incompleta porque ainda precisamos saber muitas coisas sobre as verdadeiras motivações e se houve outras pessoas envolvidas”, disse um dos advogados de Kirchner, Marcos Aldazábal.

O advogado considerou em todo o caso que será “muito importante conhecer os antecedentes de como as coisas aconteceram”, algo que espera que venha à luz durante as audiências que decorrerão todas as quartas-feiras em um processo que pode durar até um ano e isso contará com mais de 300 testemunhas, incluindo a própria Kirchner.

Relembre o caso

O agressor era um vendedor de doces que na noite de 1º de setembro de 2022 atacou Kirchner em frente à sua casa em Buenos Aires, misturado entre centenas de apoiadores que vieram apoiá-la quando ela estava sendo julgada por suposta fraude durante sua presidência (2007-2015). O brasileiro puxou o gatilho duas vezes sem que as balas saíssem e acabou preso no local.

Sua então namorada, Brenda Uliarte, que o acompanhou até as proximidades do local do incidente, foi presa dias depois, assim como Nicolás Carrizo, seu empregador como vendedor de doces e identificado como possível “planejador”.

Sabag Montiel, também motorista ocasional de uma locadora de veículos e portador de tatuagens com símbolos nazistas, apresentava uma personalidade “narcisista” e um discurso “extravagante” com elementos de hostilidade a Kirchner, segundo especialistas. Por sua vez, Uliarte é acusada de ser “coautora” e de instigadora, enquanto Carrizo é acusado de cumplicidade.

Outras pessoas detidas como suspeitas foram libertadas à medida que avançava a investigação sobre a chamada "banda de los copitos", o grupo de vendedores ambulantes de algodão doce ao qual pertenciam os acusados.

Choque político

Após o ataque, Kirchner recebeu mensagens de solidariedade de todo o mundo, incluindo um apelo diligente do Papa Francisco. No entanto, também havia uma nuvem de suspeita sobre a veracidade do ataque, posteriormente esclarecida por especialistas que confirmaram que a arma era real e tinha balas na câmara.

No meio de condenações públicas, adversários políticos, como a atual ministra da segurança, Patricia Bullrich, antiga candidata presidencial pela força de direita Together for Change, optaram pelo silêncio. Seu ex-gerente de campanha e vice, Gerardo Milman, é uma das pessoas que Kirchner pede para investigar, depois de ter sido ouvido falando sobre o ataque antes de ele ocorrer. Um exame pericial de seu telefone ainda está pendente.

Essa e outras pistas sobre o alegado financiamento que dá origem a uma empresa pertencente à família do atual ministro da Economia, Luis Caputo, foram rejeitadas pelo tribunal e fazem parte de uma investigação paralela, apesar de Kirchner ter pedido a sua integração neste julgamento.

"Não há prática mais clara para buscar impunidade para casos complexos do que dividi-los em pequenos pedaços. O que resta nunca mais é investigado", disse Kirchner, em carta pública, quando o sistema judiciário encerrou a investigação e levou o caso a julgamento. “Toda a investigação se caracterizou por evitar conhecer a verdade”, alegou.

O ataque quebrou “um pacto democrático que é a base da democracia: o da não aceitação da violência contra o adversário”, disse à AFP Iván Schuliaquer, formado em Ciência Política pela Universidade de Buenos Aires.

No dia seguinte ao ataque, o governo declarou feriado extraordinário e milhares de pessoas saíram às ruas de todo o país para condenar o ocorrido, convencidas de que a extrema polarização que dominava a cena política havia ultrapassado os limites.

“Foi um antes e um depois, não porque a política tenha mudado, mas porque mostrou claramente que a polarização permite, num determinado sector, que não haja nenhum tipo de condenação quando o atacado é o outro”, disse Schuliaquer.

Acompanhe tudo sobre:ArgentinaCristina Kirchner

Mais de Mundo

Republicanos exigem renúncia de Biden, e democratas celebram legado

Apesar de Kamala ter melhor desempenho que Biden, pesquisas mostram vantagem de Trump após ataque

A estratégia dos republicanos para lidar com a saída de Biden

Se eleita, Kamala será primeira mulher a presidir os EUA

Mais na Exame