Mundo

Juiz suspende parcialmente ordem de silêncio imposta a Trump antes de julgamento

Com a decisão, o republicano pode agora falar publicamente das testemunhas que depuseram no seu julgamento, assim como do júri e do veredicto

Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos (TIMOTHY A. CLARY/AFP)

Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos (TIMOTHY A. CLARY/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 25 de junho de 2024 às 19h35.

Tudo sobreEleições EUA 2024
Saiba mais

O juiz Juan Merchan suspendeu parcialmente a ordem de silêncio imposta ao ex-presidente americano Donald Trump antes de seu julgamento penal, no qual foi condenado por fraude documental, devido a uma "mudança" de circunstâncias, segundo um documento judicial publicado nesta terça-feira, 25.

O juiz instrutor do histórico julgamento do magnata em Nova York havia proibido que ele falasse em público sobre os membros do júri, as testemunhas, os promotores e o pessoal do tribunal. Posteriormente, ampliou a proibição para incluir sua própria família e a do promotor.

Merchan, que prevê divulgar a sentença ao provável candidato republicano nas eleições de 5 de novembro deste ano, declarou que "as circunstâncias mudaram. A parte do julgamento deste processo terminou quando o veredicto foi emitido e o júri foi dispensado".

A decisão do Juiz significa que Trump, o primeiro ex-presidente dos Estados Unidos condenado por um crime penal, pode agora falar publicamente das testemunhas que depuseram no seu julgamento, assim como do júri e do veredicto. No entanto, Merchan manteve as medidas que proíbem revelar as identidades dos membros do júri.

Trump foi multado em US$ 10 mil (R$ 54 mil, na cotação atual) por violar a ordem de silêncio em 10 ocasiões. Inclusive, o juiz ameaçou prendê-lo se a infringisse novamente.

Antes da ordem de silêncio, o ex-presidente criticou repetidamente as testemunhas e a promotoria em sua plataforma Truth Social.

No dia 30 de maio deste ano, um júri o declarou culpado de 34 acusações por falsificar documentos contábeis para ocultar o pagamento de US$ 130 mil (R$ 675 mil, na cotação da época) para comprar o silêncio de uma ex-atriz pornô em uma relação extraconjugal. O objetivo de Trump era que a mulher não interferisse nas eleições de 2016, nas quais ele derrotou Hillary Clinton.

Acompanhe tudo sobre:Donald TrumpEstados Unidos (EUA)Eleições americanasEleições EUA 2024

Mais de Mundo

Na Bolívia, Lula tentará reaproximar Arce e Morales após tentativa de golpe de Estado

Reformista Masoud Pezeshkian vence as eleições presidenciais no Irã

Após destruição no México, Furacão Beryl segue para os EUA

Biden defende sua candidatura em entrevista para TV americana

Mais na Exame