Jogar no mar? Japão apresenta alternativas para descartar água radioativa

Com o volume aumentado, o ministério acredita que uma opção realista seria o descarte da água no mar

O Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão declarou que há dificuldades técnicas em três opções propostas para descartar resíduos de água radioativa tratada e armazenada na usina de energia nuclear danificada Fukushima 1, localizada no Nordeste do país.

Os resíduos contêm água que havia sido usada para resfriar o combustível nuclear derretido após fusões de reator em março de 2011, assim como contém água de chuva que escorreu para o solo sob os reatores.

Posteriormente, a água passa por tratamento para remover a maior parte das substâncias radioativas, mas alguns elementos, como o trítio, permanecem. O volume de água armazenada vem aumentando.

O ministério realizou audiências com moradores locais e organizações, para ouvir opiniões do público durante os últimos meses.

As três propostas sugeridas incluem a solidificação da água tratada por meio de uma mistura com argamassa. Contudo, autoridades do ministério afirmam que isso aumentaria o volume total, o que tornaria difícil conseguir um local para armazenamento.

Outra opção é o uso de embarcações para transportar a água para ilhas remotas. Entretanto, segundo as autoridades, levaria tempo para preparar instalações grandes o suficiente para essa alternativa.

A terceira ideia é usar reservatórios ou canais de drenagem para transferir a água para armazenamento e descarte. Contudo, as autoridades dizem que há problemas de regulamentação para essa opção.

O ministério também declarou que uma opção realista seria o descarte da água no mar, após passar por diluição até um nível que cumpra requisitos ambientais e outras normas. Essa é a mesma avaliação feita por um subcomitê governamental em fevereiro.

Na última semana, o Ministério da Economia japonês informou as autoridades locais sobre como planeja combater rumores prejudiciais caso a água seja lançada ao mar. A expectativa é de que o órgão prepare alternativas para a possibilidade de descarte da água residual no mar.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.