Mundo

Javier Milei converte empresa estatal de notícias em agência de publicidade do governo

O sindicato da imprensa de Buenos Aires (Sipreba) e trabalhadores temporários reunidos no grupo Somos Télam descreveram as ações do governo como um “ataque à liberdade de expressão”

Javier Milei: A partir de agora, a agência que conta com mais de 70 anos de história irá alinhar “a sua atuação com uma nova abordagem estratégica da sociedade para funcionar como agência de publicidade e propaganda” (Diego Lima/AFP/Getty Images)

Javier Milei: A partir de agora, a agência que conta com mais de 70 anos de história irá alinhar “a sua atuação com uma nova abordagem estratégica da sociedade para funcionar como agência de publicidade e propaganda” (Diego Lima/AFP/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 1 de julho de 2024 às 20h59.

Tudo sobreJavier Milei
Saiba mais

O governo argentino oficializou o encerramento da agência estatal de notícias Télam, anunciado pela primeira vez em março, e a sua transformação em agência estatal de publicidade e propaganda, segundo o boletim oficial publicado nesta segunda-feira. A Télam “deixará de funcionar, tal como foi originalmente criada, nas atividades de serviços jornalísticos e como agência de notícias”, instruiu o boletim oficial.

A partir de agora, a agência que conta com mais de 70 anos de história irá alinhar “a sua atuação com uma nova abordagem estratégica da sociedade para funcionar como agência de publicidade e propaganda”.

Nova função da Télam

A nova Agência Estatal de Publicidade (APE) ficará responsável “pelo desenvolvimento, produção, comercialização e distribuição de material publicitário nacional e/ou internacional”, detalha o texto.

No dia 3 de março, o Executivo suspendeu a atividade da Télam, isentou os seus trabalhadores de tarefas e vedou dois dos seus edifícios em Buenos Aires, após o anúncio do presidente Javier Milei de que fecharia a empresa por ser um instrumento de "propaganda" kirchnerista, referindo-se à sua rival política, a ex-presidente Cristina Kirchner.

"A Télam como o conhecíamos deixou de existir. Fim", tuitou o porta-voz presidencial Manuel Adorni no sábado, antes da publicação do boletim oficial.

Suspensão e reestruturação

O sindicato da imprensa de Buenos Aires (Sipreba) e trabalhadores temporários reunidos no grupo Somos Télam descreveram as ações do governo como um “ataque à liberdade de expressão”.

“Apoiamos a nossa luta para defender os empregos e o papel social dos meios de comunicação públicos que este governo pretende destruir”, escreveram em um comunicado.

No seu relatório anual, a ONG Repórteres Sem Fronteiras escreveu em maio que “a situação é particularmente preocupante na Argentina após a chegada ao poder do presidente Javier Milei, cuja postura agressiva em relação ao jornalismo dificulta o pluralismo”. Com mais de 700 funcionários, entre administradores, jornalistas e fotógrafos, o serviço noticioso da Télam transmite mais de 500 programas por dia com informações do país, cerca de 200 fotografias e conteúdos de vídeo, rádio e redes sociais.

Futuro dos funcionários

Cerca de 30% dos seus trabalhadores foram desligados da empresa através de reformas voluntárias e prevê-se que um grupo seja transferido para o novo APE. Desde a intervenção do Télam no início de março, outros mantiveram um “acampamento” (em protesto) em frente aos dois edifícios da agência em Buenos Aires.

Acompanhe tudo sobre:Javier MileiArgentina

Mais de Mundo

Incêndio no Aeroporto JFK deixa ao menos 9 feridos, e quase mil pessoas são evacuadas, em Nova York

22 de julho foi o dia mais quente registrado no mundo, quebrando o recorde do dia anterior

TSE desmente Maduro e afirma que urna eletrônica brasileira é 'totalmente auditável'

Assessor de Trump denuncia Harris por receber indevidamente fundos da campanha de Biden

Mais na Exame