Japão registra déficit comercial recorde em novembro

O Japão registrou déficit comercial de 684,7 bilhões de ienes devido à forte queda das exportações

Tóquio - O Japão teve no mês passado déficit comercial de 684,7 bilhões de ienes (US$ 8,72 bilhões) devido à forte queda das exportações, o que representa o maior saldo negativo registrado em um mês de novembro.

Em outubro, o Japão tinha registrado déficit comercial de 280,1 bilhões de ienes (US$ 3,56 bilhões).

Com isso, a balança comercial foi negativa pelo segundo mês consecutivo, em parte pelo arrefecimento econômico global, que fez as exportações japonesas em novembro caírem 4,5% com relação ao mesmo mês de 2010, a 5,19 trilhões de ienes (US$ 66,21 bilhões). Também tiveram influência no mau resultado a valorização do iene e as inundações na Tailândia, onde muitas fábricas japonesas foram afetadas.

As importações japonesas, por outro lado, aumentaram 11,4% na comparação com novembro do ano passado, a 5,8 trilhões de ienes (US$ 74,93 bilhões), segundo um relatório preliminar apresentado pelo Ministério das Finanças japonês.

O superávit comercial do país asiático com a União Europeia (UE) caiu 84,2%, a 27,5 bilhões de ienes (US$ 351 milhões), o menor montante registrado desde 1979.

Com os Estados Unidos, o Japão registrou superávit de 364,8 bilhões de ienes (US$ 4,64 bilhões), 7,2% mais que em novembro do ano passado. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também