Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Itaipu reduzirá custos se Brasil não aceitar reajuste

No último dia 24, o Paraguai pediu que o Brasil aceite a proposta de aumento do valor pago pela Eletrobras e pela empresa paraguaia Ande

Modo escuro

Continua após a publicidade
Com 14 mil megawatts de potência instalada, Itaipu atende a cerca de 19% da energia consumida no Brasil e a 91% do consumo paraguaio (Divulgação/EXAME.com)

Com 14 mil megawatts de potência instalada, Itaipu atende a cerca de 19% da energia consumida no Brasil e a 91% do consumo paraguaio (Divulgação/EXAME.com)

A
Alex Rodrigues

Publicado em 7 de março de 2012 às, 17h09.

Brasília – A vice-ministra de Minas e Energia do Paraguai, Mercedes Canese, disse que a Itaipu Binacional, empresa que administra a Usina Hidrelétrica de Itaipu, terá que ajustar seus custos de produção caso o Brasil não aceite o aumento do valor da tarifa da energia elétrica vendida pelo governo paraguaio.

No último dia 24, o Paraguai pediu que o Brasil aceite a proposta de aumento do valor pago, pela Eletrobras e pela empresa paraguaia Administração Nacional de Eletricidade (Ande), a Itaipu, dos atuais US$ 22,60 para US$ 24,30 quilowatt/mês, o que significa um reajuste de 7,2%. O reajuste pode acarretar reflexos sobre o preço cobrado aos consumidores finais, o que o governo paraguaio rebate.

A proposta foi apresentada pelo ministro das Relações Exteriores paraguaio, Jorge Lara de Castro, ao embaixador brasileiro, Eduardo dos Santos. Segundo o governo do país vizinho, a “correção” já foi aprovada pelo centro de custo de Itaipu e apresentada ao conselho de administração da empresa em outubro de 2011.

“É simples: ou se reajusta a tarifa ou se reduzem os custos”, disse, ontem (6), a ministra à agência pública de notícias paraguaia, a IP Paraguai. Segundo Mercedes, reduzir os custos de produção seria “um pouco mais complicado” do que reajustar as taxas pagas pela Eletrobras e pela Ande, já que há despesas “que não se pode modificar”.

De acordo com Mercedes Canese, o eventual ajuste de custos poderia ser feito por meio da renegociação da dívida de, segundo Itaipiu, cerca de US$ 16 bilhões que a empresa binacional tem com a Eletrobras, que financiou a construção da hidrelétrica. Ou ainda, o ajuste poderia ser promovido reduzindo a taxa de juros que Itaipu paga à Eletrobras. Cerca de 70% do orçamento da empresa são destinados ao pagamento da dívida e dos seus encargos, tais como juros, o que alcança um valor perto de US$ 2,4 bilhões.


“Acreditamos que, neste caso [de o Brasil recusar o aumento das tarifas], deveríamos renegociar a dívida de Itaipu, que, segundo o último informe, é espúria”, disse a ministra, argumentando que as atuais condições são inviáveis e que sua manutenção significa uma violação ao Tratado de Itaipu.

Firmado em 1973, o tratado estabelece que os dois países têm direito a usar 50% da energia gerada pela hidrelétrica binacional. Como utiliza apenas 5% do que teria direito, o Paraguai vende o restante ao Brasil. Segundo Mercedes, o acordo também prevê que a tarifa deve ser igual aos custos de produção.

Com 14 mil megawatts de potência instalada, Itaipu atende a cerca de 19% da energia consumida no Brasil e a 91% do consumo paraguaio.

Já o representante paraguaio no conselho da usina, Franklin Boccia, disse que a decisão de ajustar os preços é política e que o governo brasileiro estaria retardando a decisão a fim de evitar o aumento da tarifa cobrada dos consumidores. De acordo com a IP Paraguai, o governo do país vizinho aguarda uma resposta final do Brasil até abril.

Diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, Jorge Miguel Samek, disse hoje (7), à Agência Brasil, que o atual valor da tarifa paga pelas empresas à hidrelétrica não é reajustado há três anos. Segundo Samek, a proposta apresentada pelo governo paraguaio foi discutida com a direção da empresa e ele mesmo diz não considerar a hipótese de o governo brasileiro recusá-la.

Últimas Notícias

Ver mais
Milei diz que recebe Argentina com 15.000% de inflação. É isso mesmo? Entenda

Mundo

Milei diz que recebe Argentina com 15.000% de inflação. É isso mesmo? Entenda

Há 5 horas

Israel-Hamas: avião com mais 48 repatriados da Faixa de Gaza decola do Egito a caminho do Brasil

Mundo

Israel-Hamas: avião com mais 48 repatriados da Faixa de Gaza decola do Egito a caminho do Brasil

Há 6 horas

Em posse na Argentina, Milei fala que 'não há dinheiro' e anuncia forte ajuste fiscal

Mundo

Em posse na Argentina, Milei fala que 'não há dinheiro' e anuncia forte ajuste fiscal

Há 6 horas

Tornado provoca destruição e deixa seis mortos nos Estados Unidos

Mundo

Tornado provoca destruição e deixa seis mortos nos Estados Unidos

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Lead Energy quer reduzir R$ 1 bi na conta de luz dos brasileiros até 2027

Lead Energy quer reduzir R$ 1 bi na conta de luz dos brasileiros até 2027

Ceará deve se tornar um dos maiores produtores do combustível do futuro

Ceará deve se tornar um dos maiores produtores do combustível do futuro

“O número de ciberataques tem crescido 20% ao ano”, diz a Huawei

“O número de ciberataques tem crescido 20% ao ano”, diz a Huawei

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais