Mundo

Israel realiza intensos bombardeios sobre alvos em Gaza

A aviação israelense bombardeou hoje de forma intensa vários alvos em Gaza em represália pelo lançamento de foguetes contra território de Israel desde a Faixa


	Manifestantes palestinos seguram bandeiras em Gaza: pelo menos, uma pessoa ficou ferida de forma leve nos ataques
 (Suhaib Salem/Reuters)

Manifestantes palestinos seguram bandeiras em Gaza: pelo menos, uma pessoa ficou ferida de forma leve nos ataques (Suhaib Salem/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de julho de 2014 às 17h26.

Gaza - A aviação israelense bombardeou neste sábado de forma intensa vários alvos no norte, centro e sul de Gaza em represália pelo lançamento de foguetes contra território de Israel desde a Faixa.

Ashraf al-Qedra, porta-voz de emergências da Faixa, confirmou que pelo menos uma pessoa ficou ferida de forma leve nos ataques, que se produzem em um momento no qual as Forças de Segurança israelenses buscam três jovens judeus sequestrados na noite da quinta-feira na Cisjordânia ocupada.

Fontes oficiais em Gaza explicaram, por sua vez, que a aviação israelense disparou mísseis contra uma instalação militar usada pelo movimento radical 'Jihad Islâmica' na cidade de Rafah, fronteiriça com o Egito.

Além disso, os israelenses atacaram duas zonas de lançamento de foguetes no sul, assim como um centro de treino militar usado pelas Brigadas dos Mártires de al-Aqsa, braço armado do Hamas, na cidade meridional de Khan Yunes.

Testemunhas informaram, por sua parte, sobre disparos contra um terreno de treino do Hamas situado perto do campo de refugiados palestinos de Nuseirat, no centro da empobrecida e sitiada Gaza.

Em comunicado, o Exército israelense confirmou os bombardeios e afirmou ter alcançado três alvos terroristas, dois deles supostos armazéns de armas.

Horas antes deste último bombardeio israelense, três foguetes foram disparados desde algum lugar da Faixa, um dos quais impactou na cidade de Hof Ashkelon, no litoral de Israel, sem causar danos e nem feridos, informou o Exército em comunicado.

Em um ataque prévio, também em resposta ao lançamento de foguetes, helicópteros artilhados israelenses dispararam nesta manhã dois mísseis contra um campo de treinamento militar na zona sul de Gaza.

Fontes ligadas ao movimento islamita Hamas explicaram à Agência Efe que o alvo alcançado foi uma base -aparentemente utilizada pelas Brigadas al-Aqsa, braço armado do citado movimento islamita- na cidade de Khan Yunes, e que o ataque não produziu vítima alguma.

Um dos projéteis impactou no interior da instalação e o outro alcançou uma das entradas, detalhou, por sua parte, a agência de notícias local 'Ma'an'.

A fonte informou, além disso, sobre um segundo ataque israelense contra um bairro próximo à passagem fronteiriça de Rafah, no qual também não foram registradas vítimas.

O alvo foi também uma base miliciana, nesta ocasião utilizada pelas brigadas An Nasser Salah Adin, braço militar dos chamados Comitês de Resistência Popular.

Os ataques ocorrem poucas horas depois que um foguete lançado desde Gaza caiu sobre a cidade israelense de Sdot Neguev sem deixar vítimas.

A tensão aumentou em Gaza desde que na quarta-feira um palestino morreu e outros dois ficaram feridos em um ataque da aviação israelense contra uma motocicleta que circulava pelo norte da Faixa.

Esse ataque também aconteceu pouco depois que um foguete fora disparado desde Gaza contra solo israelense, que também não causou vítimas ou danos.

Por enquanto, nenhuma facção armada assumiu a autoria do disparo de foguetes contra Israel.

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, condenou na quarta-feira o disparo de foguetes desde Gaza contra o território israelense e chamou a todas as facções a respeitar o cessar-fogo com Israel.

Acompanhe tudo sobre:Autoridade PalestinaAviaçãoCisjordâniaConflito árabe-israelenseFaixa de GazaHamasIsraelPalestinaSetor de transporte

Mais de Mundo

Milei se reunirá com Macron em viagem à França para abertura dos Jogos Olímpicos

'Tome chá de camomila', diz Maduro após Lula se preocupar com eleições na Venezuela

Maduro deve aceitar resultado das eleições se perder, diz ex-presidente argentino

Macron só vai nomear primeiro-ministro após Jogos Olímpicos

Mais na Exame