Mundo

Israel lança ataque aéreo contra Gaza, após encontrar corpos

Corpos de três adolescentes cujo sequestro e morte o país atribuiu ao grupo militante palestino Hamas foram encontrados


	Militantes do Hamas: força aérea atacou 34 locais, na maioria pertencentes ao Hamas
 (Said Khatib/AFP)

Militantes do Hamas: força aérea atacou 34 locais, na maioria pertencentes ao Hamas (Said Khatib/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de julho de 2014 às 17h24.

Jerusalém - Israel bombardeou dezenas de locais na Faixa de Gaza nesta terça-feira, atacando alvos do Hamas depois da descoberta dos corpos de três adolescentes cujo sequestro e morte o país atribuiu ao grupo militante palestino.

O gabinete da área de segurança de Israel, que manteve uma reunião de emergência na noite de segunda-feira e iria reunir-se na manhã desta terça novamente, ficou dividido sobre a escala de uma nova investida contra o território costeiro e a Cisjordânia, sob ocupação de Israel.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu prometeu que o Hamas iria pagar pelas mortes dos três estudantes seminaristas judeus, encontrados na segunda-feira sob uma pilha de pedras perto da cidade de Hebron, na Cisjordânia.

Autoridades militares disseram que a força aérea atacou 34 locais, na maioria pertencentes ao Hamas, embora o comunicado não relacione os bombardeios com os sequestros. Equipes médicas palestinas disseram que duas pessoas ficaram levemente feridas.

Em vez de citar o caso dos jovens sequestrados, os militares israelenses mencionaram os 18 foguetes lançados pelos palestinos nos últimos dois dias contra Israel como a causa da ofensiva, já que as autoridades do país atribuíram os disparos ao Hamas.

Acompanhe tudo sobre:CisjordâniaFaixa de GazaHamasIsraelMortesPalestinaSequestros

Mais de Mundo

Milei se reunirá com Macron em viagem à França para abertura dos Jogos Olímpicos

'Tome chá de camomila', diz Maduro após Lula se preocupar com eleições na Venezuela

Maduro deve aceitar resultado das eleições se perder, diz ex-presidente argentino

Macron só vai nomear primeiro-ministro após Jogos Olímpicos

Mais na Exame