Ironias da vida: no fórum climático, opções veganas são escassas

Filas marcaram as poucas opções de alimentação sem carne da conferência da ONU que acontece em Madri

Apesar do frio de dezembro em Madri, centenas de especialistas em clima fizeram fila todos os dias nas últimas duas semanas em frente a uma caminhonete rosa-choque. Isso porque era a única opção vegana disponível na conferência climática das Nações Unidas.

A conferência, conhecida como COP25, reuniu mais de 26 mil enviados de quase 200 países, com o objetivo de negociar os últimos aspectos restantes do Acordo de Paris fechado em 2015, sob o qual os países prometeram reduzir as emissões de efeito estufa. A escassez de alimentos não prejudiciais ao clima na maior concentração mundial de especialistas sobre o assunto surpreendeu alguns participantes.

“É difícil encontrar comida vegetariana ou vegana neste local”, disse Anil Datta, observador da Austrália depois de uma hora de espera em frente ao posto de comida. “É uma ironia, porque esta é a COP, estamos falando em aumentar a ambição de combater a mudança climática e reduzir as emissões.”

A pecuária responde por aproximadamente 14,5% das emissões de gases de efeito estufa provocadas pela atividade humana, de acordo com a ONU, sendo que a carne bovina e o leite de vaca contribuem mais. Essa estimativa pode até ser muito baixa, segundo Tim Searchinger, especialista em clima do World Resources Institute. Isso porque não leva em conta a oportunidade perdida de armazenamento de carbono em terras que antes eram florestas – o que inclui cerca de 40% das pastagens da Terra.

Preocupação crescente

O impacto da produção dos alimentos no meio ambiente é uma preocupação crescente entre consumidores globais, cada vez mais conscientes da mudança climática e dispostos a fazer mais para combatê-las.

Esta não é a primeira vez que participantes tiveram dificuldade de encontrar alimentos não prejudiciais ao clima na conferência climática da ONU. Nas negociações da COP24, que no ano passado foi realizada em Katowice, na Polônia, oito em cada dez refeições continham carne ou laticínios, de acordo com a Food and Climate Alliance, ou FCA, um grupo de organizações que defendem dietas à base de plantas para ajudar a reduzir as mudanças climáticas.

Se todos os delegados da conferência tivessem ingerido produtos à base de carne todos os dias do evento, as emissões seriam equivalentes a 3 mil voos entre Nova York e Katowice, de acordo com a estimativa da FCA.

Menu simbólico

Este ano, a comida estava sob maior escrutínio. Os irmãos Roca, Jordi, Joan e Josep, proprietários do aclamado restaurante Celler de Can Roca, prepararam um cardápio especial para chefes de estado. Eles criaram pratos com os nomes de “Urgente” ou “Vegetais de Carne” que destacavam questões como seca e escassez de alimentos.

Searchinger reconheceu que o cardápio da COP é principalmente simbólico, mas disse que sua importância não deve ser descartada.

“Se você quer que as pessoas levem a sério a ideia de comer menos carne, é uma boa ideia não sair comendo muita carne”, disse.

Esse tinha sido o plano original para a reunião deste ano, que deveria ocorrer no Chile. A organização sem fins lucrativos chilena Vegetarianos Hoy, em parceria com a FCA, estava trabalhando com a ONU para oferecer um cardápio de pelo menos 65% a 70% à base de plantas.

O evento foi mudado de última hora depois que uma onda de protestos eclodiu no Chile, afetando o dia a dia em Santiago. O presidente Sebastián Piñera cancelou a COP25 um mês antes do início. Alguns dias depois, a Espanha ofereceu-se como anfitriã, mantendo a delegação chilena encarregada dos procedimentos. O evento, que normalmente leva um ano inteiro para os países anfitriões planejarem e organizarem, foi realizado em Madri em apenas três semanas.

“É claro que existem alguns problemas logísticos ao mudar a COP para a Espanha”, disse Javiera Mayorga Osorio, diretora de projetos da Vegetarianos Hoy. “Não estamos 100% satisfeitos com o que está sendo servido na COP hoje, mas vimos muitas, muitas mais opções à base de plantas.”

Por Laura Millan Lombrana e Deena Shanker, com a colaboração de Reed Landberg.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.