Invasão da Ucrânia: Putin anuncia mobilização militar parcial e cita potencial nuclear

Presidente russo declarou apoio aos referendos convocados em regiões separatistas da Ucrânia, semelhante ao ocorrido durante a anexação da Crimeia
Putin: presidente anuncia mobilização militar parcial e cita potencial nuclear (Contributor/Getty Images)
Putin: presidente anuncia mobilização militar parcial e cita potencial nuclear (Contributor/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 21/09/2022 às 07:51.

Última atualização em 21/09/2022 às 07:52.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou nesta quarta-feira, 21, mobilização militar parcial no país em virtude da guerra da Ucrânia. Em pronunciamento em rede nacional, o líder indicou que a medida envolve a movimentação de reservistas e afirmou que a ação é "necessária", sendo a "única opção" no momento.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Além disso, Putin declarou apoio aos referendos convocados em regiões separatistas da Ucrânia, em um movimento semelhante ao ocorrido durante a anexação da Crimeia pela Rússia. Entre as regiões afetadas, o mandatário destacou Luhansk e Donetsk. O russo defendeu seguidas vezes o que chamou de "libertação" de territórios de "neonazistas".

O presidente sugeriu ainda o uso de armas nucleares em virtude do confronto, indicando que todas as opções disponíveis podem ser utilizadas. "Eu não estou blefando", afirmou. Segundo ele, o potencial nuclear do país deve ser lembrado por aqueles que fazem ameaças à Rússia e sua integridade territorial.

LEIA TAMBÉM: Separadas pela guerra, famílias ucranianas se encontram pela primeira vez

Putin fez uma série de críticas à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). O líder afirmou que os ataques por parte da aliança contra a Rússia aumentaram nos últimos anos. Segundo ele, o Ocidente não deseja paz entre Ucrânia e Rússia. "Não estão satisfeitos com uma solução de paz. Quando estivemos buscando atingir compromissos, houve comandos para atrapalhar negociações".

Em sua visão, líderes ocidentais que vem buscando apoiar a Ucrânia com equipamentos militares visando o longo prazo estão tomando uma posição "irresponsável".

LEIA TAMBÉM: