Mundo

Interrupção de voos por atividade de vulcão custou U$ 5 bi ao PIB global

Europa foi o continente mais prejudicado, com perda estimada de U$ 2,6 bilhões

Espaço aéreo europeu coberto por cinzas causou adiamento de 100 mil voos em uma semana (Halldor Kolbens/AFP)

Espaço aéreo europeu coberto por cinzas causou adiamento de 100 mil voos em uma semana (Halldor Kolbens/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 27 de maio de 2010 às 18h32.

São Paulo - A interrupção das viagens de avião durante o período de atividade do vulcão islandês Eyjafjallajökull, em abril, não prejudicou apenas as companhias aéreas e os mais de sete milhões de passageiros. Os atrasos e cancelamentos nos voos custaram ao Produto Interno Bruto (PIB) global nada menos que cinco bilhões de dólares. As informações são de um estudo realizado pela consultoria Oxford Economics.

De acordo com a pesquisa, apresentada nesta quarta-feira (26/05) em Pequim, o transporte aéreo emprega mais de 5,5 milhões de pessoas e contribui com 425 bilhões de dólares no PIB mundial, que é de 58,07 trilhões de dólares, segundo informações da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA, na sigla em inglês).

Em apenas sete dias de paralisação, entre 15 e 21 de abril, a redução de voos na Europa foi de mais de 100.000. O resultado foi uma perda de 4,7 bilhões de dólares. As quase cinco mil viagens canceladas até 24 de maio acrescentaram os 5% restantes de perdas aos números finais reportados pela Oxford Economics.

Os adiamentos nas viagens geraram uma perda líquida de 2,2 bilhões de dólares para o setor de aviação. Já as despesas com estrangeiros que não puderam embarcar custaram ao setor mais 1,6 bilhão de dólares.

O prejuízo total não se deve apenas aos gastos diretamente relacionados ao setor. Segundo Adrian Cooper, presidente da Oxford Economics, "além dos efeitos diretos sobre as companhias aéreas e os destinos, a produção econômica foi reduzida. Há ainda uma perda de 490 milhões de dólares causada por funcionários que ficaram impossibilitados de trabalhar."

Outro duro golpe foi o sofrido pelo comércio internacional, especialmente nos segmentos dependentes de produção "na hora exata" (conhecida pela expressão em inglês, just in time). É o caso, por exemplo, dos fornecedores de componentes para equipamentos de alta tecnologia. A Coreia do Sul, grande exportadora desse setor, chegou a ter um prejuízo estimado de 112 milhões de dólares.

O relatório mostra ainda que a Europa foi o continente mais afetado economicamente, com perdas de 2,6 bilhões de dólares em PIB. Em seguida vêm as Américas e a Ásia, com 957 milhões e 517 milhões de dólares, respectivamente.
 

Acompanhe tudo sobre:AviaçãoDesastres naturaisIndicadores econômicosPIBPrejuízoSetor de transporteVulcões

Mais de Mundo

Radiografia de cachorro está entre indícios de esquema de fraude em pensões na Argentina

Trump conversa com Zelensky e promete "negociação" e "fim da guerra" na Ucrânia

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Mais na Exame