Índia revisará sentença que criminalizou homossexualidade

Governo indiano apresentou um pedido na Corte Suprema para revisar a sentença que voltou a ilegalizar as relações homossexuais

Nova Deli - O governo indiano apresentou nesta sexta-feira um pedido na Corte Suprema para revisar a sentença que voltou a ilegalizar as relações homossexuais, decisão que provocou protestos no país asiático, informou uma fonte oficial.

A Corte declarou ilegais as relações homossexuais em 11 de dezembro, quatro anos depois que o Tribunal Superior de Nova Deli declarasse nulo o artigo 377 do Código Penal que penaliza essas relações com até dez anos de prisão.

"O governo apresentou hoje um pedido de revisão do #377 (artigo que proíbe relações entre pessoas do mesmo sexo) na Corte Suprema", postou o ministro da Justiça, Kapil Sibal, em sua conta no Twitter.

"Espero que o direito de escolha pessoal seja preservado", disse Sibal em sua conta no microblog.

Em seu pedido de revisão da sentença, o Executivo solicitou que as audiências sejam abertas ao público.

O governo do Partido do Congresso manifestou sua oposição ao artigo 377 que data da época vitoriana e foi imposto pelos britânicos quando governavam a Índia.

O opositor Bharatiya Janata Party, por sua vez, demonstrou apoio à decisão judicial, já que considera a homossexualidade "antinatural".

A proibição das relações homoafetivas gerou vários protestos em diferentes cidades do gigante asiático.

Embora o artigo 377 previsse penas de até dez anos de prisão por relações entre pessoas do mesmo sexo, ele raramente era aplicado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.