Imprensa alemã critica presidente por tentativa de intimidação

Christian Wulff é acusado de ter pressionado o jornal Bild para que uma matéria com acusações contra ele não fosse publicada

Berlim - O presidente da Alemanha, Christian Wulff, tornou-se alvo de críticas nessa terça-feira dos principais meios de comunicação do país, assim como de uma denúncia da promotoria de Berlim, por ter tentado impedir a publicação de uma matéria no jornal 'Bild' sobre um empréstimo recebido por ele da esposa do empresário Egon Geerkens para comprar um imóvel.

A promotoria da capital confirmou ter recebido uma denúncia contra Wulff por intimidação. Ao mesmo tempo, a União Democrata-Cristã (CDU), da chanceler Angela Merkel, é cada vez mais criticada por ter pressionado o grupo Springer, que edita o jornal 'Bild', a não publicar a matéria sobre o presidente.

Além disso, nos últimos dias, Wulff foi alvo de cerca de vinte denúncias contra o recebimento do empréstimo, entre outras acusações de favorecimento, na época em que ele era primeiro-ministro da Baixa Saxônia

Nenhuma das denúncias, até o momento, tornou-se um processo. Segundo os especialistas, a acusação de intimidação da imprensa é a que tem mais chance de seguir adiante.

Os principais meios de comunicação alemães, como o conservador 'Frankfurter Allgemeine' e o progressista 'Süddeutsche Zeitung', questionam a continuidade de Wulff como presidente e criticam a violação de direitos constitucionais como a liberdade de imprensa.

O jornal 'Süddeutsche Zeitung' foi o primeiro a divulgar a intimidação. Posteriormente, a própria redação do 'Bild' confirmou que Wulff chegou a ligar para o diretor da publicação, Kai Dieckmann, e para o chefe do grupo editorial Springer, Mathias Döpfner, para tentar impedir a veiculação da notícia.

O 'Frankfurter Allgemeinen', em editorial, criticou as relações entre o 'Bild' e o grupo Springer e o CDU. Já o 'Süddeutsche Zeitung' afirma que 'um homem que enche a boca para falar da liberdade de imprensa, mas não a respeita, é um falso presidente'.


Enquanto os jornais publicam quase diariamente supostos casos de favorecimento e coleguismo de Wulff, o partido da chanceler mantém um silêncio sepulcral.

Há alguns dias, Merkel expressou várias vezes seu apoio ao presidente, que chegou ao cargo em junho de 2010 após a renúncia de Horst Köhler.

As tentativas de Wulff, que chegou a deixar uma mensagem de correio de voz ameaçando o chefe do grupo Springer, no entanto, não foram suficientes para impedir a publicação da matéria sobre o empréstimo que teria recebido.

Em 13 de dezembro, o 'Bild' denunciou que Wulff recebeu em 2008 um empréstimo de 500 mil euros da esposa do magnata Geerkens e obteve uma taxa de juros mais baixa do que é normalmente cobrada.

Dois dias antes do Natal, sob forte pressão, ele pediu desculpas publicamente em relação ao empréstimo e por não ter informado sobre ele. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.