Importante centro econômico da China confina milhões após surto de covid-19

As prateleiras dos supermercados foram esvaziadas esta semana pelos moradores da cidade — um importante centro econômico no sudoeste da China com uma população de 21 milhões de habitantes
De acordo com as diretrizes em Chengdu, uma pessoa de cada família poderá sair uma vez por dia para fazer compras e obter bens essenciais. (Bloomberg / Colaborador/Getty Images)
De acordo com as diretrizes em Chengdu, uma pessoa de cada família poderá sair uma vez por dia para fazer compras e obter bens essenciais. (Bloomberg / Colaborador/Getty Images)
A
AFPPublicado em 02/09/2022 às 11:20.

Milhões de pessoas foram confinadas nesta sexta-feira (2) na cidade chinesa de Chengdu devido a alguns casos de covid-19, que levaram à paralisação desta megalópole. 

As prateleiras dos supermercados foram esvaziadas esta semana pelos moradores da cidade - um importante centro econômico no sudoeste da China com uma população de 21 milhões de habitantes - que temem uma repetição do longo confinamento enfrentado este ano por Xangai.

Quer saber tudo sobre a política internacional? Assine a EXAME e fique por dentro.

Esta manhã, os moradores de Chengdu esperavam muito tempo para passar por testes obrigatórios, enquanto vídeos verificados pela AFP confirmaram a falta de produtos nos supermercados.

Um morador, que pediu anonimato, disse à AFP que "todos estão estocando produtos desesperadamente", dada a experiência em Xangai, onde houve escassez de mercadorias durante o confinamento obrigatório.

De acordo com as diretrizes em Chengdu, uma pessoa de cada família poderá sair uma vez por dia para fazer compras e obter bens essenciais.

Essa pessoa terá que apresentar um teste negativo para covid de 24 horas, segundo fontes oficiais.

Essas fontes acrescentam que todos os moradores deverão ser testados e são instados a não sair da cidade, exceto em caso de “absoluta necessidade”.

A China é a última grande economia a aplicar a política de "covid zero", combatendo o vírus por meio de bloqueios e testes em massa, além de longas quarentenas.