Hungria deve ter novo vazamento tóxico pela instabilidade de reservatório

Essa lama tem uma consistência mais espessa, por isso novo vazamento não deve ter a mesma velocidade e alcance da avalanche de segunda-feira

Kolontár (Hungria) - As autoridades húngaras disseram hoje que preveem um novo vazamento tóxico, embora menos grave do que o primeiro, que por causa do desmoronamento total dos muros de contenção na segunda-feira permitiu escapar 1 milhão de metros cúbicos de lama tóxica.

"O que esperamos, de acordo com as estimativas dos analistas, é que esses muros danificados desmoronem", indicou à imprensa Zoltan Illes, ministro de Estado do Meio Ambiente.

Em declarações a partir do mesmo reservatório que rompeu na segunda-feira e provocou uma enchente que deixou sete mortos, um desaparecido e enormes danos ambientais, Illes explicou que no reservatório ainda estão armazenados 2,5 milhões de metros cúbicos de lama tóxica gerada pela produção de alumínio.

Essa lama, no entanto, tem uma consistência mais espessa, por isso que espera-se que o novo vazamento não tenha a mesma velocidade e alcance da avalanche de segunda-feira.

Leia mais notícias sobre o meio ambiente

Siga as notícias do site EXAME sobre Meio Ambiente e Energia no Twitter

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.