Mundo

Honduras decreta toque de recolher para conter violência

A preocupação internacional tem crescido em relação à crise eleitoral no pobre país da América Central

Tegucigalpa: atraso na contagem dos votos da eleição gerou onda de violência (Edgard Garrido/Reuters)

Tegucigalpa: atraso na contagem dos votos da eleição gerou onda de violência (Edgard Garrido/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 2 de dezembro de 2017 às 11h13.

TEGUCIGALPA- Honduras suspendeu o direito à livre circulação, na sexta-feira, impondo um toque de recolher do anoitecer ao amanhecer, e dando ao exército e à polícia mais poderes, depois que confusões e protestos, motivados por uma eleição contestada, deixaram pelo menos uma pessoa morta.

Cinco dias depois do fechamento das urnas, nenhum claro vencedor emergiu da votação de domingo. O presidente Juan Orlando Hernández conseguiu uma pequena vantagem sobre seu adversário, mas milhares de votos contestados ainda podem mudar o resultado.

Pelo menos um manifestante morreu, mais de 20 pessoas foram feridas e mais de 100 foram presas, depois que líderes da oposição acusaram o governo de tentar roubar a eleição, manipulando a contagem de votos.

"A suspensão de garantias constitucionais foi aprovada para que as forças armadas e a polícia nacional conseguiam conter esta onda de violência que atingiu o país", disse Ebal Díaz, membro do conselho de ministros.

A preocupação internacional tem crescido em relação à crise eleitoral no pobre país da América Central, que sofre com gangues violentas de traficantes e uma das maiores taxas de assassinatos no mundo.

Honduras é fonte de ondas de imigrantes pobres para os Estados Unidos e se localiza no meio de uma das maiores rotas de tráfico de cocaína do mundo.

O toque de recolher nacional será imposto durante 10 dias, começando na noite de sexta-feira, afirmou o ministro do governo Jorge Ramón Hernández, em um comunicado simultaneamente transmitido por emissoras de TV e rádio.

 

Acompanhe tudo sobre:EleiçõesHondurasProtestos no mundo

Mais de Mundo

Religiosos de vilarejo indiano onde avô de Kamala Harris viveu rezam por vitória da democrata

Oposição venezuelana denuncia 'obstáculos' para credenciar fiscais eleitorais

Macron se recusa a nomear candidata da esquerda a primeira-ministra na França

Em primeiro comício desde saída de Biden, Kamala afirma que seu governo será 'do povo'

Mais na Exame