Mundo

Helena x Kazam: conheça os submarinos nucleares dos EUA e Rússia que foram enviados a Cuba

Autoridades cubanas e de Washington afirmam que iniciativa não representa ameaça, embora analistas falem em tentativa de Moscou de demonstrar força em meio à guerra na Ucrânia

Fuzileiros navais russos caminham no topo do submarino nuclear russo Kazan, parte do destacamento naval russo em visita a Cuba, no porto de Havana em 14 de junho de 2024. A implantação incomum dos militares russos tão perto dos Estados Unidos — particularmente o poderoso submarino — ocorre em meio a grandes tensões sobre a guerra na Ucrânia, onde o governo apoiado pelo Ocidente está lutando contra uma invasão russa.

Fuzileiros navais russos caminham no topo do submarino nuclear russo Kazan, parte do destacamento naval russo em visita a Cuba, no porto de Havana em 14 de junho de 2024. A implantação incomum dos militares russos tão perto dos Estados Unidos — particularmente o poderoso submarino — ocorre em meio a grandes tensões sobre a guerra na Ucrânia, onde o governo apoiado pelo Ocidente está lutando contra uma invasão russa.

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 15 de junho de 2024 às 11h37.

Última atualização em 15 de junho de 2024 às 11h40.

O USS Helena, da classe Los Angeles, chegou a Cuba nesta quinta-feira para fazer frente aos quatro navios de guerra russos, incluindo um submarino também movido a energia nuclear, que atracaram em Havana para uma visita considerada incomum. A embarcação nuclear de quase 110 metros de comprimento está próxima do submarino russo Kazan, uma das armas mais novas da marinha russa, comissionada em 2021.

A embarcação do Kremlin mede mais de 140 metros de comprimento e pode viajar a quase 37 quilômetros, velocidade semelhante à do submarino americano. Ambos operam missões de ataque, reconhecimento, vigilância e apoio de forças especiais por longos períodos de tempo, já que não precisa reabastecer com frequência.

O USS Helena (SSN-725) foi nomeado em homenagem à cidade de Helena, no estado norte-americano de Montana, e foi lançado ao mar em 1986. A embarcação é equipada com tecnologia stealth para minimizar sua detecção por radar, sonar e outros meios de localização no fundo do mar.

O submarino nuclear americano tem capacidade de transportar uma variedade de armamentos, incluindo torpedos, mísseis de cruzeiro e mísseis balísticos, podendo atingir alvos terrestres e marítimos a longas distâncias. Embora o número exato possa variar ao longo do tempo devido a diferentes missões e configurações, os submarinos da classe Los Angeles geralmente têm uma tripulação de cerca de 130 a 140 marinheiros.

Operações em Cuba

Tanto Havana quanto Washington afirmam que a iniciativa não representa uma ameaça, embora tenha sido amplamente interpretada por analistas como uma tentativa de Moscou de demonstrar força à medida que aumentam as tensões devido ao apoio militar do Ocidente à Ucrânia na guerra com a Rússia.

"O submarino de ataque rápido 'USS Helena' está na Baía de Guantánamo, Cuba, como parte de uma visita de rotina ao porto", disse o Comando Sul dos EUA em uma mensagem nas mídias sociais, referindo-se à base naval americana na ilha. "A localização e o trânsito da embarcação foram pré-planejados.

O submarino russo de propulsão nuclear Kazan, que Cuba diz não estar transportando armas nucleares, chegou a Havana na quarta-feira, acompanhado da fragata Almirante Gorshkov, bem como por um navio petroleiro e um rebocador de salvamento, depois de realizarem exercícios no Atlântico.

"Isso é uma prática normal para todos os Estados, incluindo uma grande potência marítima como a Rússia. Então, não vemos razão para preocupação neste caso", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a repórteres quando questionado sobre o suposto nervosismo americano por receio de transferência de armas russas a Cuba ou até mesmo a instalação de uma base militar na ilha.

Esta não é a primeira vez que a Rússia envia seus navios de guerra ao Caribe. No entanto, a visita desta semana ocorre após Putin criticar a entrega de armas de longo alcance pelo Ocidente à Ucrânia, e argumentar que a Rússia poderia fornecer armas semelhantes a outros países para atacar alvos ocidentais em resposta.

A visita também é realizada um mês após o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, desejar sucesso a Moscou na guerra contra a Ucrânia. Na ocasião, Díaz-Canel condenou a “manipulação geopolítica” dos Estados Unidos e a “ameaça da Otan de se aproximar das fronteiras” russas.

As Forças Armadas dos EUA dizem que monitoram de perto a presença dos navios russos, mas que eles não representam uma ameaça direta.

Acompanhe tudo sobre:CubaRússiaEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Republicanos exigem renúncia de Biden, e democratas celebram legado

Apesar de Kamala ter melhor desempenho que Biden, pesquisas mostram vantagem de Trump após ataque

A estratégia dos republicanos para lidar com a saída de Biden

Se eleita, Kamala será primeira mulher a presidir os EUA

Mais na Exame