Mundo

Guatemala propõe sediar COP25 após retirada de candidatura pelo Brasil

Na última quarta-feira, o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, se responsabilizou pelo cancelamento da realização do evento no país

Guatemala: informação foi confirmada pelo ministro de Ambiente e Recursos Naturais do país, Alfonso Alonzo (Reprodução/Wikimedia Commons)

Guatemala: informação foi confirmada pelo ministro de Ambiente e Recursos Naturais do país, Alfonso Alonzo (Reprodução/Wikimedia Commons)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 1 de dezembro de 2018 às 10h30.

São Paulo - A Guatemala apresentou sua candidatura para organizar a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP25), prevista para novembro de 2019, após a retirada da candidatura pelo Brasil, segundo nota da Agência Brasil. A informação foi confirmada pelo ministro de Ambiente e Recursos Naturais do país, Alfonso Alonzo. Costa Rica e Chile também se candidataram.

Na última quarta-feira (28), o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, se responsabilizou pelo cancelamento da realização do evento no país, justificando que a reunião poderá decidir pela criação de uma faixa de proteção ambiental que poderia levar à perda de soberania sobre a Amazônia.

"Houve participação minha nessa decisão. Eu recomendei para que se evitasse a realização desse evento aqui no Brasil", declarou ele. Bolsonaro disse que "está em jogo o triplo A", uma grande faixa que pega os Andes, Amazônia e Atlântico, com 136 milhões de hectares, ao longo da calha dos rios Solimões e Amazonas, e que essa faixa de proteção "poderá fazer com que percamos a nossa soberania nessa área".

Alonzo, da Guatemala, afirmou esperar que "as Nações Unidas tomem a decisão nos próximos dias". "Estamos preparados, temos toda a infraestrutura, demonstramos isso na 26ª Cúpula Ibero-Americana", afirmou, referindo-se ao evento que ocorreu os últimos dias 15 e 16 de novembro.

Acompanhe tudo sobre:BrasilDiplomaciaGuatemalaMeio ambiente

Mais de Mundo

O medo da 'uberização' da prostituição em uma Paris olímpica

Biden promete "ir fundo" em investigação após demissão de diretora do Serviço Secreto

"Yes, we Kam" surge como lema da campanha de Kamala

Diretora do Serviço Secreto renuncia ao cargo depois de atentado contra Trump

Mais na Exame