Mundo

Guaidó vence disputa contra Maduro por 1 bilhão de dólares em ouro

O Reino Unido reconheceu o líder da oposição, Juan Guaidó, como presidente da Venezuela e ele deve controlar o ouro venezuelano armazenado em Londres

Tribunal de Londres decidiu que Guaidó tem autoridade para solicitar os fundos no Banco da Inglaterra (Fausto Torrealba/Reuters)

Tribunal de Londres decidiu que Guaidó tem autoridade para solicitar os fundos no Banco da Inglaterra (Fausto Torrealba/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 2 de julho de 2020 às 11h23.

Última atualização em 2 de julho de 2020 às 16h00.

O Reino Unido reconheceu o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, como presidente do país, decidiu o Supremo Tribunal inglês nesta quinta-feira, em um caso sobre quem deve controlar 1 bilhão de dólares em ouro venezuelano armazenado em Londres.

Uma audiência ao longo de quatro dias na semana passada foi a última parte de uma batalha relacionada às reservas de ouro mantidas no Banco da Inglaterra e centrada em qual dos dois presidentes rivais --Nicolás Maduro ou Guaidó-- o Reino Unido consideraria como líder legítimo da Venezuela.

No início de 2019, o governo britânico juntou-se a dezenas de nações para apoiar Guaidó, chefe da Assembleia Nacional controlada pela oposição, depois que ele se autodeclarou presidente interino e denunciou Maduro como um usurpador que garantiu uma reeleição fraudulenta.

O juiz da Suprema Corte Nigel Teare proferiu uma sentença determinando que o Reino Unido havia "inequivocamente" reconhecido Guaidó como presidente interino constitucional. Teare baseou sua decisão na chamada doutrina de "uma voz", na qual o tribunal deve aceitar como conclusiva uma declaração inequívoca do governo britânico que reconheça o líder de uma nação estrangeira.

"O Judiciário e o Executivo devem falar a uma só voz", disse Teare. "Não podem existir dois presidentes da Venezuela."

A equipe jurídica de Maduro disse que seu Banco Central (BCV) quer vender o ouro para financiar a resposta da Venezuela ao novo coronavírus. O BCV entrou com uma ação contra o Banco da Inglaterra em maio, alegando que o acesso às reservas de ouro da Venezuela fora proibido.

Sarosh Zaiwalla, um dos advogados que representam Maduro, disse nesta quinta-feira que o BCV estaria buscando uma saída para recorrer da sentença.

No Twitter, o BCV classificou a decisão como "absurda" por privar a Venezuela "do ouro de que precisa urgentemente para enfrentar a pandemia".

A oposição alega que Maduro quer usar o ouro para pagar seus aliados estrangeiros, o que seus advogados negaram. Nos últimos dois anos, o governo de Maduro retirou cerca de 30 toneladas de suas reservas na Venezuela para vender no exterior por moedas mais valorizadas.

"Garantimos o ouro para o futuro do povo venezuelano", disse à Reuters a embaixadora de Guaidó no Reino Unido, Vanessa Neumann.

Acompanhe tudo sobre:Juan GuaidóNicolás MaduroReino UnidoVenezuela

Mais de Mundo

Programa espacial soviético colecionou pioneirismos e heróis e foi abalado por disputas internas

Há comida nos mercados, mas ninguém tem dinheiro para comprar, diz candidata barrada na Venezuela

Companhias aéreas retomam gradualmente os serviços após apagão cibernético

Radiografia de cachorro está entre indícios de esquema de fraude em pensões na Argentina

Mais na Exame