Governador da Flórida assina projeto que retira a autonomia da Disney

Jurisdição especial permitia que a empresa opere o Walt Disney World Resort como sua própria cidade
O governador disse na sexta-feira que a Disney pagaria mais impostos como resultado da lei, embora não tenha dado mais detalhes (Scott Audette/Reuters)
O governador disse na sexta-feira que a Disney pagaria mais impostos como resultado da lei, embora não tenha dado mais detalhes (Scott Audette/Reuters)
Por Agência O GloboPublicado em 22/04/2022 19:33 | Última atualização em 22/04/2022 19:34Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O governador do estado americano da Flórida, Ron DeSantis, sancionou um projeto de lei nesta sexta-feira que retira a autoridade autônoma da Walt Disney Co. sobre seus parques na área de Orlando, em retaliação por sua oposição a uma nova lei que limita o ensino de questões LGBTQIA+ nas escolas.

Conquiste um dos maiores salários no Brasil e alavanque sua carreira com um dos MBAs Executivos da EXAME Academy.

O Legislativo controlado pelos republicanos aprovou o projeto de lei na quinta-feira, que eliminará a jurisdição especial do governo que permite que a empresa opere o Walt Disney World Resort como sua própria cidade.

Em cerca de 10 mil hectares, a empresa administra quatro parques temáticos, dois parques aquáticos e 281 quilômetros de trilhas.

O status especial da Disney "era realmente uma aberração", disse DeSantis em uma entrevista coletiva para sancionar o projeto de lei. "Nenhum indivíduo ou empresa na Flórida é tratado dessa maneira."

A Disney não comentou imediatamente sobre a promulgação da lei agora.

Embora o impacto financeiro na empresa e no estado seja incerto, a mudança pode atrapalhar a forma como a Disney opera seu extenso império na Flórida Central e prejudicar o relacionamento próximo que mantém com o estado há mais de 50 anos.

O governador disse na sexta-feira que a Disney pagaria mais impostos como resultado da lei, embora não tenha dado mais detalhes.

DeSantis é um possível candidato presidencial republicano de 2024 que cortejou eleitores conservadores em questões como imigração, aborto e direitos LGBTQ.

Com seu último movimento contra a Disney, DeSantis está tentando polir suas credenciais conservadoras, mostrando que está disposto a enfrentar o que descreveu como uma empresa "ativista" com sede na Califórnia que não compartilha os valores da Flórida.

A Disney inicialmente não se opôs publicamente à legislação LGBTQIA+ no último mês, atraindo críticas dessa comunidade e de alguns funcionários. Mais tarde, a empresa condenou a lei, dizendo que suspenderia as doações políticas na Flórida enquanto aguardava uma revisão.

A lei, apelidada de "Don't say gay" (não diga gay) pelos críticos, proíbe a instrução em sala de aula sobre orientação sexual ou identidade de gênero para crianças do jardim de infância até a terceira série. DeSantis apoiou a medida, dizendo que daria aos pais mais controle sobre a educação de seus filhos.

Os opositores chamam isso de uma tentativa velada de marginalizar estudantes gays e transgêneros, ou filhos de pais gays.

Embora o projeto pareça ser um ataque aos extensos parques temáticos da Disney e Orlando, especialistas dizem que o impacto financeiro da legislação sobre a empresa e o estado não está claro neste estágio.

DeSantis apressou o projeto de lei na casa do estado, empurrando-o dentro de três dias de uma sessão especial, mas não entrará em vigor até junho de 2023, dando a ambos os lados tempo para se ajustar à nova realidade.

A lei dissolve o Reedy Creek Improvement District, que foi criado na década de 1960 para atrair a Disney World para o estado depois que a Disneyland, muito menor, se tornou um parque temático de sucesso na Califórnia.

Por mais de meio século, o distrito permitiu que a Disney funcionasse como governo do condado, fornecendo serviços como supressão de incêndio, eletricidade, água e estradas nos condados de Orange e Osceola. Por sua vez, a Disney pode emitir títulos com vantagens fiscais para pagar as melhorias.