Mundo

George Soros afirma que Facebook coopera para reeleição de Trump

Rede social tem sido acusada em vários países, incluindo os EUA, de contribuir para a difusão de notícias falsas

George Soros e Donald Trump: na opinião de Soros, Trump "ultrapassou os limites impostos à presidência pela Constituição" ((Jason Alden/Bloomberg)(Kevin Dietsch/Bloomberg)/Exame)

George Soros e Donald Trump: na opinião de Soros, Trump "ultrapassou os limites impostos à presidência pela Constituição" ((Jason Alden/Bloomberg)(Kevin Dietsch/Bloomberg)/Exame)

E

EFE

Publicado em 24 de janeiro de 2020 às 07h38.

Última atualização em 24 de janeiro de 2020 às 07h39.

Davos — O multimilionário George Soros revelou nesta quinta-feira estar "muito preocupado" com a "ajuda informal" que disse ter sido criada entre Facebook e Donald Trump para a possível reeleição do presidente dos Estados Unidos em novembro.

"Acho que existe uma espécie de operação informal de ajuda mútua ou acordo entre Trump e Facebook", disse o magnata nascido na Hungria, de 89 anos, no tradicional jantar oferecido para alguns veículos de comunicação, entre eles a Agência Efe, que participam do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

O acordo, segundo Soros, é que "o Facebook vai trabalhar para eleger Trump, e Trump vai trabalhar para proteger o Facebook". O magnata se disse "preocupado com o resultado das eleições de 2020".

Soros também acusou o Facebook de ser guiado "apenas por um princípio, o de maximizar o lucro, independentemente dos danos que possa causar ao mundo".

A rede social tem sido acusada em vários países, incluindo os EUA, de contribuir para a difusão de notícias falsas que condicionam o comportamento político dos usuários, especialmente durante os períodos eleitorais.

No início deste ano, após um intenso debate interno, o Facebook descartou filtrar o conteúdo dos anúncios políticos que publica, citando o direito constitucional à liberdade de expressão.

Esta não é a primeira vez que Soros ataca o presidente dos Estados Unidos. No discurso desta noite, descreveu Donald Trump como "um vigarista e um narcisista supremo que quer que o mundo gire ao seu redor".

"Quando a fantasia de se tornar presidente se tornou realidade, o narcisismo dele desenvolveu uma dimensão patológica", comentou.

Na opinião de Soros, Trump "ultrapassou os limites impostos à presidência pela Constituição", motivo pelo qual enfrenta um processo de impeachment.

"Ao mesmo tempo, ele conseguiu reunir um grande número de apoiadores que compraram a sua realidade alternativa. Isto transformou o narcisismo dele em uma doença maligna. Ele chegou a acreditar que poderia impor sua realidade alternativa não só aos seguidores, mas também à própria realidade", analisou.

Soros também disse que Trump "não tinha um plano estratégico quando autorizou o lançamento do míssil que matou o general (Qasem Soleimani, da Guarda Revolucionária Iraniana".

"Mas ele tem um instinto infalível que disse a ele como os leais seguidores reagiriam às suas ações. E eles estão exultantes. Isso torna a tarefa dos democratas, que buscam a sua remoção, extremamente difícil", frisou.

Acompanhe tudo sobre:Donald TrumpFacebookgeorge-soros

Mais de Mundo

'A defesa da democracia é mais importante do que qualquer título', diz Biden em discurso

Governo Lula se diz irritado com falas de Maduro, mas evita responder declarações

Netanyahu discursa no Congresso americano sob protestos de rua e boicote de dezenas de democratas

Em discurso a irmandade negra, Kamala pede ajuda para registrar eleitores e mobilizar base a votar

Mais na Exame